BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


sábado, 21 de março de 2015

As maiores fraudes arqueológicas da história

Fonte da imagem: Reprodução/Oddee

1 – A sereia de Fiji




A seguir você poderá conferir três das maiores — e mais bizarras — fraudes arqueológicas do mundo, selecionadas a partir de um interessante artigo publicado pelo pessoal do Oddee.

Até hoje se debate a existência ou não de sereias, e não é raro vermos notícias sobre esta ou aquela equipe de pesquisadores que descobriu alguma carcaça sinistra ou filmou criaturas bizarras no mar. Entretanto, em meados do século 19, o Dr. J. Griffin, um suposto pesquisador inglês de um tal Liceu Britânico de História Natural, apareceu em Nova York com o corpo de uma sereia que teria sido capturada próximo a Fiji e causou um verdadeiro furor.
Pouco tempo depois, um homem chamado P.T. Barnum — dono de museu e organizador de espetáculos — convenceu Griffin a expor seu achado na Broadway e, efetivamente, multidões pagaram para ver a sereia. Contudo, logo se descobriu que o pesquisador inglês em realidade se chamava Levi Lyman, e que em vez de cientista, ele era “doutor” em picaretagens. Além disso, o tal liceu britânico nem existia, e Barnum estava envolvido em toda a tramoia.
A suposta sereia era, na verdade, o esqueleto de um macaco — torso e crânio — costurado ao corpo de um peixe, tudo coberto com papel machê para dar à “composição” uma aparência cientificamente mais realista.

Fonte da imagem: Reprodução/Oddee

2 – A Tiara de Saitafernes

A espetacular peça acima — toda em ouro e “pertencente” ao antigo rei grego Saitafernes — foi adquirida pelo Louvre no dia 1° de abril de 1896 (atente para a data!) pela fortuna de 200 mil francos de ouro. O artefato de quase 18 centímetros de altura e mais de meio quilo trazia passagens da Ilíada e cenas cotidianas do povo cita em sua superfície e, segundo os especialistas do museu, as gravuras confirmavam eventos ocorridos entre os séculos 2 e 3 a.C.
Contudo, tão pronto o Louvre anunciou a aquisição da tiara, um arqueólogo alemão contestou a autenticidade da peça. O pesquisador apontou divergências com respeito ao estilo das gravuras e a falta de danos e sinais de envelhecimento, e durante anos o museu defendeu seu tesouro. Isso até as notícias sobre esse debate chegar à de Odessa, que na época pertencia à Rússia…
Foi então que Israel Rouchomovski, um habilidoso ourives da cidade, contou que ele havia feito a tiara a pedido de um homem chamado Hochmann. Essa pessoa inclusive mostrou livros de históriacom os motivos que ele queria gravados na peça, e contou que se tratava de um presente para um amigo arqueólogo. Hoje a tiara se encontra exposta no “Salão das Fraudes” com outras oito Monas Lisas, e é um lembrete de um enorme constrangimento sofrido pelo museu.
Fonte da imagem: Reprodução/Oddee

3 – A múmia de Rhodugune

No ano 2000, a descoberta de uma múmia com mais de 2.600 anos depois de um terremoto no Paquistão ganhou destaque internacional. Tratava-se do corpo de uma mulher, e ele se encontrava no interior de um sarcófago de madeira protegido por um caixão de pedra, e usava uma coroa e máscara feitas de ouro. Os órgãos internos haviam sido removidos, e o cadáver havia sido envolto tal como as múmias egípcias.
Além disso, a múmia trazia uma placa de ouro no peito com inscrições que diziam que seu nome era Rhodugune, e que ela era filha do grande Rei Xerxes. Todas essas evidências levaram os arqueólogos a especular que a mulher podia ser uma princesa egípcia que teria se casado com um príncipe persa ou, ainda, que fosse filha de Ciro, o Grande, criador de um dos maiores impérios da História. O problema: a múmia estava à venda no mercado negro por US$ 6 milhões.
Contudo, ao investigar o corpo, uma nova história veio à tona. Os pesquisadores notaram erros gramaticais nas inscrições e peculiaridades na a forma como a princesa havia sido mumificada. Por fim, exames de raios-X e tomografias revelaram que o corpo da princesa era, na verdade, muito mais recente. Ele pertencia a uma pobre mulher que provavelmente foi assassinada para que o cadáver fosse usado para a criação dessa farsa — e render muito dinheiro aos embusteiros.







Total de visualizações de página

Página FaceBook