BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


quarta-feira, 18 de março de 2015

O Nióbio brasileiro e a moeda Bancor




Nosso nióbio está sendo "oficialmente" contrabandeado, debaixo de nossos narizes. 
Diante disso pergunto: Por que será que nossas forças armadas são tão sucateadas?




Agora mais do que nunca devido a muitos desdobramentos que estão ocorrendo nessa realidades que nos encontramos, sejam em várias estruturas da política, empresarial e de vários interesses próprios ocultos da população, onde ocorrem crimes de todos os tipos, incluído obviamente, assassinatos como de diversos delatores que expõe ao público, muitos tipos de interesses e artimanhas, que de fato, prejudicam a população diretamente e indiretamente.

Sabemos que muitas mortes ditas e diagnosticas como sendo naturais, estão sendo expostas como atos ocultos e realizados pela elite illuminati, ataques cardíacos, contração do câncer e outros tipos de doenças, são armas silenciosas impostas por essa elite dominante, casos como ocorreu com Hugo Chávez, Aaron Russo e muitos outros mais, sendo assim, então por que não o assassinato  Enéas Carneiro ?

Vamos rever os fatos, e analisar essa possibilidade, que por sinal, é bem óbvia...  




“Em 2010, um documento secreto do Departamento de Estado americano, vazado pelo site WikiLeaks, incluiu as minas brasileiras de nióbio na lista de locais cujos recursos e infraestrutura são considerados estratégicos e imprescindíveis aos EUA .
Mais recentemente, o nióbio voltou a ganhar os holofotes em razão da venda bilionária de uma fatia da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), maior produtora mundial de nióbio, para companhias asiáticas. Em 2011, um grupo de empresas chinesas, japonesas e sul coreana fechou a compra de 30% do capital da mineradora com sede em Araxá (MG) por US$ 4 bilhões.”
Nióbio: Povo brasileiro desconhece o tema, mas governos do primeiro mundo, não!
Preâmbulo, por Gérsio Mutti
“Nesta matéria do G1 de 09/04/2013 (“Monopólio” brasileiro do nióbio gera cobiça mundial, controvérsia e mito), fica evidente que o Brasil está abrindo mão de uma moeda rara de troca, comercializando-a de forma lesiva, visto que 98% de todo o nióbio do mundo encontra-se em terras brasileiras.


Nesse sentido, num artigo de Lew Rockwell, datado de 05/08/2010 , há um estudo do FMI que clama pela implementação da emissão de um papel-moeda global, emitido por uma entidade supranacional, que foi feito por Reza Moghadam, do Departamento de Estratégia, Política e Análises, “em colaboração com os Departamentos de Finanças, de Mercados de Capital e Política Monetária, de Direito, e de Pesquisa e Estatística, e com consulta ao Departamento de Áreas”.


Segundo Lew Rockwell, “trata-se, portanto, de um plano de longo prazo, mas com a inconfundível marca de Keynes. Logo no início da página 27, o autor já deixa claro que a intenção é homenagear John Maynard Keynes . Ainda na mesma página, no item 35, lê-se: “Uma moeda global, o bancor, emitida por um banco central global, seria concebida como uma estável reserva de valor que não estaria amarrada exclusivamente às condições de uma economia em particular”. Na página 28: “O banco central global poderia servir de emprestador de última instância, fornecendo uma necessária liquidez sistêmica no evento de choques adversos, e de modo mais automático do que no presente.”


O termo “bancor” vem diretamente de Keynes. Ele propôs essa ideia logo após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Um dos usos do nióbio é o Neodímio

Entretanto, tal ideia foi rejeitada por razões nacionalistas, e ao
invés disso, o mundo ganhou um sistema monetário baseado no dólar, que por sua vez estava ligado ao ouro. Em outras palavras, o mundo ganhou um falso padrão-ouro, o qual estava fadado ao colapso na medida em que os desequilíbrios das reservas de ouro dos países se tornassem insustentáveis como acabou ocorrendo no final da década de 1960. O que substituiu tal arranjo foi exatamente o nosso atual sistema monetário, em que os papeis-moeda de todos os países flutuam entre si nos mercados de câmbio.(Veja um relato cronológico desses eventos):”
JAZIDA DE NIÓBIO SERÁ VENDIDA POR R$ 600.000,00 (SEISCENTOS MIL REAIS)”
Com a Palavra os senhores Comentaristas do Blog Plano Brasil
“Monopólio” brasileiro do nióbio gera cobiça mundial, controvérsia e mitos
Com 98% das reservas, Brasil não tem política específica para o mineral. Exportações cresceram 110% em 10 anos e somaram US$ 1,8 bi em 2012.
Darlan Alvarenga, do G1, em São Paulo,
09/04/2013
NIÓBIO: MAIS CARO DO QUE OURO OU DIAMANTES! ESTÃO ROUBANDO A MAIOR FORTUNA DO BRASIL!
Um metal raro no mundo, mas abundante no Brasil, considerado fundamental para a indústria de alta tecnologia e cuja demanda tem aumentado nos últimos anos, tem sido objeto de controvérsia e de uma série de suspeitas e informações desencontradas que se multiplicam na internet – alimentando teorias conspiratórias e mitos sobre a dimensão da sua importância para a economia mundial e do seu potencial para elevar o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

A Casa da Moeda austríaca – Muenze Oesterreich – apresentou as novas moedas especiais Robotik. Fabricadas de prata e nióbio.

Trata-se do nióbio, elemento químico usado como liga na produção de aços especiais e um dos metais mais resistentes à corrosão e a temperaturas extremas. Quando adicionado na proporção de gramas por tonelada de aço, confere maior tenacidade e leveza. O nióbio é atualmente empregado em automóveis, turbinas de avião, gasodutos, em tomógrafos de ressonância magnética, na indústria aeroespacial, bélica e nuclear, além de outras inúmeras aplicações como lentes óticas, lâmpadas de alta intensidade, bens eletrônicos e até piercings.

O bocal do foguete do Apollo 15 CSM na órbita lunar é feita de liga de Nióbio

O mineral existe no solo de diversos países, mas 98% das reservas conhecidas no mundo estão no Brasil. O país responde atualmente por mais de 90% do volume do metal comercializado no planeta, seguido pelo Canadá e Austrália. No país, as reservas são da ordem de 842.460.000 toneladas e as maiores jazidas se encontram nos estados de Minas Gerais (75% do total), Amazonas (21%) e em Goiás (3%).
Segundo relatório do Plano Nacional de Mineração 2030, o Brasil explora atualmente 55 substâncias minerais, respondendo por mais de 4% da produção global, e é líder mundial apenas na produção do nióbio. No caso do ferro e do manganês, por exemplo, em que o país também ocupa posição de destaque, a participação na produção global não ultrapassa os 20%.

Invés de valorizar o verdadeiro ouro metálico enganam o país.

Tal vantagem competitiva em relação ao nióbio desperta cobiça e preocupação por parte das grandes siderúrgicas e maiores potências econômicas, que costumam incluir o nióbio nas listas de metais com oferta crítica ou ameaçada. É isso também que alimenta teorias de que o Brasil vende seu nióbio “a preço de banana”; que as reservas nacionais estão sendo “dilapidadas”; e que o país está “perdendo bilhões” ao não controlar o preço do produto.


A chamada “questão do nióbio” não é um assunto novo. Um dos seus porta-vozes mais ilustres foi o deputado federal Enéas Carneiro, morto em 2007, que alardeava que só a riqueza do mineral seria o suficiente para lastrear toda a riqueza do país. O nióbio já chegou a ser relacionado até com o mensalão, após o empresário Marcos Valério afirmar na CPI dos Correios, em 2005, que o Banco Rural conversou com José Dirceu sobre a exploração de uma mina de nióbio na Amazônia.


Em 2010, um documento secreto do Departamento de Estado americano, vazado pelo site WikiLeaks, incluiu as minas brasileiras de nióbio na lista de locais cujos recursos e infraestrutura são considerados estratégicos e imprescindíveis aos EUA . Mais recentemente, o nióbio voltou a ganhar os holofotes em razão da venda bilionária de uma fatia da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), maior produtora mundial de nióbio, para companhias asiáticas. Em 2011, um grupo de empresas chinesas, japonesas e sul coreana fechou a compra de 30% do capital da mineradora com sede em Araxá (MG) por US$ 4 bilhões.



Vídeo sobre o Nióbio Brasileiro divulgado nos Estados Unidos.



Independente do debate muitas vezes ideológico por trás da questão e dos mitos que cercam o mineral, o fato é que o quase ‘monopólio’ da oferta ainda não resultou numa política específica para o nióbio no Brasil ou programa voltado para o desenvolvimento de uma cadeia industrial que vise agregar valor a este insumo que praticamente só o país oferece.




Enéas fala sobre o Nióbio, George Soros. Brasil Sendo Roubado!



O ROUBO DO NIÓBIO É MAIS GRAVE QUE O MENSALÃO e o PETROLÃO juntos





NIÓBIO - A riqueza escondida dos Brasileiros.







Total de visualizações de página

Página FaceBook