BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


sexta-feira, 24 de abril de 2015

A geleira que sangra




A cena se encaixaria bem num filme de terror: na distante Terra de Vitória, que fica na porção leste da Antártida (3 500 quilômetros ao sul da Nova Zelândia), existe uma cachoeira de sangue. Do topo de uma geleira, brota um líquido avermelhado e viscoso que escorre lentamente. Matança de animais? Obra de algum fenômeno sobrenatural?

Do alto da geleira Taylor, na Antártida, brota um misterioso líquido vermelho


O caso intrigou a bióloga Jill Mikucki, da Universidade Dartmouth, que decidiu recolher e estudar amostras do líquido. "Detectamos 17 espécies de bactérias, mas é provável que haja mais", diz. Segundo ela, essas espécies de bactérias são tão desconhecidas que nem têm nome científico - e só existem nesse lugar, que foi apelidado de Blood Falls ("Queda de Sangue", em inglês). 


O tal sangue é água salgada misturada com óxido de ferro, e é produzido pelas bactérias. Elas vivem embaixo da geleira e se alimentam do ferro contido no solo, e como produto de sua digestão secretam esse líquido que parece sangue (ele tem a cor vermelha porque, como os glóbulos vermelhos do sangue, contém ferro). 


Além de comer pedra, as bactérias de Blood Falls têm outra característica intrigante: são incrivelmente resistentes. Vivem sem luz nenhuma, a 7 graus negativos e suportam uma pressão atmosférica 40 vezes maior que a normal (causada pelo peso da geleira). "Eu compararia esse lago com as calotas polares de Marte", afirma Mikucki



Em 1911, o explorador e geólogo australiano Griffith Taylor descobriu uma característica glacial estranha na Antártida, no local conhecido atualmente como Cachoeira de Sangue. Trata-se de uma espécie de catarata vermelha e brilhante, com a altura de aproximadamente cinco andares de um prédio comercial, que escoa através de uma rachadura na agora chamada Geleira de Taylor. O destino final desse “sangue” é o lago antártico Bonney.



Mas afinal, de onde vem essa coloração incomum para um local repleto de gelo e neve?
Os geólogos primeiro acreditavam que a cor da água vinha de algas, mas hoje se sabe que é causada por micróbios que vivem num ambiente rico em enxofre e ferro na água sem oxigênio que existe debaixo do gelo, há quase 2 milhões de anos. O lago escondido sob a Geleira de Taylor fica embaixo de uma crosta de 400 metros de gelo e se estende até o fim da geleira. Esse lago macha o gelo de um laranja avermelhado quando suas águas ricas em ferro “enferrujam” ao entrar em contato com o ar.



Acredita-se que o lago subglacial debaixo da Geleira de Taylor foi parte de um antigo sistema marinho que ficou preso quando a geleira se fechou, entre 1,5 milhão e 2 milhões de anos atrás. A saída esporádica do líquido avermelhado dá aos pesquisadores a chance de explorar o lago escondido sem perfuração e sem correr o risco de contaminação do próprio lago.






Total de visualizações de página

Página FaceBook