BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


domingo, 26 de abril de 2015

Equipe de uma emissora registra o momento de 2º terremoto no Nepal

Torre foi destruída pela 2ª vez por terremoto (Foto: Niranjan Shrestha/AP / Sumona/CC)


Novo tremor de magnitude 6,7 atingiu a região neste domingo (26). Muitas passarão noite na rua com frio e chuva, diz repórter Carol Barcelos.

Equipe registra o momento de 2º terremoto no Nepal 26/04/2015

Neste domingo (26), um novo tremor de magnitude 6,7, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos, foi  presenciado pela equipe da TV Globo, que fazia uma reportagem na embaixada brasileira quando os tremores começaram.
O tremor secundário, que ocorreu a 10 km de profundidade, também foi sentido no Everest, onde provocou novas avalanches. (Veja no vídeo)







equipe do programa "Planeta Extremo", da TV Globo, viajou ao Nepal para a gravação de um novo episódio e flagrou o momento do forte terremoto de magnitude 7,8 que atingiu o país no último sábado (25). Neste domingo, enquanto gravavam com brasileiros na embaixada, a equipe foi surpreendida por um novo tremor. (Veja no vídeo acima)
Os repórteres Carol Barcellos e Clayton Conservani estão em Katmandu, na capital do Nepal, acompanhando os últimos acontecimentos. "A situação piorou, a temperatura caiu muito e está chovendo, o que torna a situação dos desabrigados ainda mais complicada, já que um dos principais problemas aqui é que falta tenda para todos. Muitas pessoas vão passar a noite na chuva e no frio, incluindo a gente", disse Carol.
"A situação é complicada para todo mundo. Nós chegamos no hotel agora há pouco e os hotéis não estão permitindo que os hóspedes vão para os seus quartos. Nós vamos ter que passar a noite ao relento ou embaixo de uma cobertura. Está ruim para os nepaleses e para todos nós. É uma situação muito complicada, todo mundo muito assustado. Nós mesmos, antes de entrar ao vivo, estávamos debaixo de uma marquise e começou a balançar e é uma correira", afirmou Conservani.
Segundo as autoridades locais, já passa de 2.000 o número de mortos no terremoto.
Falta de água e comida
Segundo o repórter, muitos estrangeiros estão arrastando malas pelas ruas, indo em direção ao aeroporto a pé.
"As pessoas estão querendo ir embora do Nepal porque está começando a faltar comida e água. Hoje eu vim de Pocara, a 200 quilômetros daqui, e comprei 100 garrafas de água para nossa equipe e para quem mais precisar. Então, a situação está ficando cada vez mais complicada", falou Conservani.
Sábado
No sábado (25), um forte terremoto de magnitude 7,8 estremeceu o Nepal, deixando mais de 2.200 mortos e milhares de feridos. O terremoto foi o pior a atingir o país em 80 anos.
O porta-voz da polícia nacional, Kamal Singh Ban, disse que só no país, o número de mortos chegava a 2.152 pessoas, enquanto 4.629 teriam ficado feridas. Um balanço anterior informava sobre 1.953 mortos, segundo a agência de notícias France Press.
A força do terremoto foi sentida também em Bangladesh, Índia, China, Paquistão e no Monte Everest, onde uma avalanche provocada pelo abalo deixou pelo menos 17 mortos. Na Índia, as autoridades atualizaram a estimativa de mortos para 57, contra 53 de um balanço anterior.
26/04 - Homem corre entre ruínas de prédios em Bhaktapur, após segundo tremor no domingo  (Foto: Navesh Chitrakar / Reuters)Homem corre entre ruínas de prédios em Bhaktapur, após segundo tremor neste domingo (26) (Foto: Navesh Chitrakar / Reuters)
O tremor ocorreu às 3h11 (de Brasília), a 77 km ao noroeste de Katmandu e a 15 km de profundidade. Outras quatro réplicas menores atingiram o país logo após o terremoto mais potente.
"Há relatos de danos generalizados. A devastação não está confinada a algumas áreas do Nepal. Quase todo o país foi atingido", disse Krishna Prasad Dhakal, vice-chefe da missão na embaixada do Nepal, em Nova Déli.
Testemunhas disseram às agências de notícias que o terremoto durou entre 30 segundos e dois minutos. Milhares de pessoas deixaram seus lares e estão nas ruas da capital, Katmandu, com receio de que casas e prédios desmoronem.
As equipes de resgate continuavam as buscas por sobreviventes neste domingo, uma tarefa complicada pelos fortes tremores secundários e pelo difícil acesso às zonas afetadas.
Torre foi destruída pela 2ª vez por terremoto (Foto: Niranjan Shrestha/AP / Sumona/CC)Torre foi destruída pela 2ª vez por terremoto deste sábado (Foto: Niranjan Shrestha/AP / Sumona/CC)




Total de visualizações de página

Página FaceBook