BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


segunda-feira, 20 de abril de 2015

Pirâmide e Geoglifos na Amazônia Brasileira e Equatoriana



Teriam exploradores descoberto a “Cidade Perdida dos Gigantes” no Equador?



história que hoje tratarei descreve 3 pirâmides na selva da grande amazônia brasileira, é uma das mais polêmicas e discutidos assuntos entre teóricos conspiracionistas, ufologistas, os teóricos se eram os deuses astronautas e até mesmo da arquelogia e antropologia brasileira e considerada um mistério, em 1979, o assunto se tornou conhecido quando revistas e algumas emissoras de televisão falaram terem descoberto algo inédito que seria três estruturas piramidais, recobertas pela vegetação que teria sido avistado por um grupo que realizava uma expedição a procura de vestígios de uma antiga civilização existente numa região próxima na Serra do Gupira no alto relevo, após uma série de controversas alguns especialistas indagaram que mesmo que não tenham visitado a região eram apenas formações naturais com formatos que lembravam piramides. O fato ficou obsoleto e nunca mais foi abordado... Os conquistadores espanhóis, bem como os colonizadores portugueses do Brasil, ouviram dos índios os sempre insistentes relatos sobre a existência dessas cidades perdidas em meio às densas selvas - as quais, tão reverenciadas, temidas e sagradas que nem mesmo esses silvícolas ousavam se aproximar. Cidades conhecidas como Muribeca, Paititi, Eldorado (e principalmente as três cidades dos "deuses" chamadas Akhaim, Akhanis e Akhakor) talvez não tenham sido meramente lendas, mas, sim, tradições HISTÓRICAS passadas de geração em geração pelos ancestrais desses índios. Manoa ou Eldorado, assim como foi batizada pelos espanhóis, expedições nazistas foram comprovadamente Teriam exploradores descoberto a “Cidade Perdida dos Gigantes” no Equador?


Pyramid wall

No ano passado, uma equipe de exploradores e pesquisadores descobriram aquilo que eles acreditavam ser um complexo de pirâmides antigas em uma área remota da floresta amazônica equatoriana, uma região não conhecida internacionalmente pelo público em geral ou mesmo dentro do país.  Bruce Fenton, escritor e pesquisador, completou uma análise das descobertas e acredita que o complexo pode ser a “Cidade Perdida dos Gigantes”.
281293_524508084234508_1230071473_n

No local da descoberta há uma estrutura piramidal extremamente grande, de aproximadamente 80 metros quadrados de base e 80 metros de altura, com lados aguçadamente inclinados.  Esta estrutura é feita de enormes blocos de pedra de formatos irregulares, cada um atualmente calculado como tendo aproximadamente 2 toneladas; muitas centenas desses blocos perfazem as paredes deste prédio.
O topo parece ser uma área achatada que é suspeita de ter sido a plataforma usada por sacerdotes em cerimônias, ou possivelmente sacrifícios.  Espalhados pela área estão muitos artefatos de pedra e cerâmica.  Muitos destes objetos parecem ser ferramentas de pedra que poderiam ter sido usados em mineração, ou para refinar algum tipo de minério.  O estilo dos prédios e dos objetos encontrados sugerem pertencer à uma cultura pré-Inca.  Porém, novas investigações são necessárias para estabelecer os fatos, as quais Fenton e equipe planejam conduzir num futuro próximo.
Ferramenta encontrada no sítio da Cidade dos Gigantes
Dentre estas ferramentas estão algumas que seriam extremamente difíceis de serem usadas de forma prática por seres humanos de tamanho normal, o que levou Fenton a suspeitar que esta tenha sido uma das legendárias cidades perdidas de gigantes, as quais fazem parte das lendas bem conhecidas desta região da Amazônia.  Tais lugares geram grande temor entre os membros das tribos de hoje na região, pois eles acreditam ser protegidos pelos espíritos guardiões ou por seres de outro mundo.
As lendas locais falam de humanos gigantes que viveram em cidades que se tornaram esquecidas nas páginas da história.  Na verdade, ossos de povos gigantes tem sido encontrados em cavernas da região – bem como em outra partes do Equador.  Fala-se que esta região em particular é um grande lugar de reunião de tribos.  De fato, até mesmo tribos do Brasil viajaram para esta localidade devido às crenças sobre sua importância e forte vibração energética.
Até agora a equipe identificou várias colinas de grande porte a serem validadas como estruturas piramidais, cada qual de tamanho igual da suposta pirâmide descoberta.  É possível que cada uma destas colinas seja uma pirâmide ainda a ser desenterrada.  Isto denotaria uma cidade e complexo de pirâmides de tamanho significativo.

Pyramid8

Uma equipe internacional de peritos em sítios megalíticos antigos e tecnologias de pirâmides estão planejando fazer uma expedição ao local para colocá-lo precisamente num mapa e produzir um documentário de uma hora para registrar as características espetaculares deste intrigante sítio.


Os blocos de pedra variam de tamanho e forma pelas paredes da pirâmide.  Parecem possuir um estilo altamente caótico e, se foram feitos pelo homem, apresentaram interessantes problemas para os engenheiros construírem na época em que foi construído.  O trabalho em pedra assemelha-se ao que é visto em outros sítios antigos no Peru, por exemplo, no forte de Saksaywaman, que embora atribuído aos Incas, os índios locais alegam que havia um povo antigo com a habilidade de amolecer as pedras com um produto derivado de plantas.


Entre os blocos há uma substância similar ao cimento ou concreto.  Acredita-se que os Incas não utilizavam argamassa, mas sim faziam com que os blocos se encaixassem perfeitamente.  Todavia, neste caso, parece haver um material de ligamento entre alguns dos grandes blocos de pedra.  Porém, um exame mais minucioso revela a possibilidade de que isso poderia ser algum tipo de material vitrificado.  Evidências de outras rochas vitrificadas têm sido encontradas em sítios antigos na América Latina.


Os investigadores do sítio também encontraram o que parecem ser ferramentas enormes, as quais seriam extremamente difíceis de serem utilizadas por humanos de tamanho normal, o que levou a Fenton suspeitar que esta tenha sido uma das legendárias cidades de gigantes, bem conhecidas nas lendas equatorianas.
As ferramentas se parecem com martelos enormes, ou pelo menos ‘cabeças de martelos’.   

Presumindo-se que essas peças eram conectadas a cabos de madeira dura, elas teriam tanto o tamanho, como peso, incríveis, tornando seu uso impraticável para um inca ou um índio típico, os quais tinham a estatura média de 1,5 metros

Pirâmide na Amazônia Equatoriana - TV EQUADOR.


===========================================================

AS GRANDES PIRÂMIDES BRASILEIRAS (AKAKAOR E PAITITI) – GRANDES MISTÉRIOS




jornalistas viajou até esse local acreditando que estaria cara a cara com uma civilização avançada descendendo desses antigos construtores, porém este se mostrou reticente sobre suas descobertas e em 1976 lançou um livro que contava a sua expedição. Anos depois, foi organizado uma expedição a procura dessa antiga cidade perdida, que participou o renomeado brasileiro Roldão Pires Brandão, que há algum tempo, estava a procura de uma antiga civilização que estaria as margens do rio Amazonas, porém nosso querido protagonista acidentalmente ou não, deu um tiro no pé e a expedição foi cancelada. Já em 1979, ainda muito discutido por emissoras de rádios e tv e jornais do Brasil divulgou uma reportagem contendo 5 páginas mostrando estruturais piramidais cobertas pela vegetação.



 Especialistas sugerem que estas formas piramidais nada mais seria um morro, porém será? Olhe com mais cuidado, a pirâmide não tem a aparência de um morro, ela não está coberta por uma vegetação e ela não aparenta ter uma formação natural, ela aparenta ser uma construção humana no qual teria sido feita com calcário e argila, veja a cor, ela é branca e está livre de qualquer vegetação a cobrindo, assim eram feitas as pirâmides do Peru, você acredita que uma terra como a nossa, não teria tido uma pirâmide? Somos vizinhos do Peru, povos antigos poderiam eles, terem viajados por terras inóspitas e terem fixado ali uma civilização que poderia predominar, até porque nosso clima é agradável, não se esqueça nessas terras temos índios que aparentam com alguns dos povos que habitaram ou habitam este continente chamado América e que são primos.




Muitos aventureiros morreram ou desapareceram nas selvas brasileiras procurando pelas supostas ruínas, mesmo existindo provas bastante contundentes dessa civilização.
Em 2008, o arqueólogo mais famoso do mundo da ficção visitou a pirâmide de Akator, no coração do Amazonas, no filme Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, mas a real existência das ruínas recriadas eletronicamente pelos produtores do filme nunca foi cientificamente comprovada.


Akakor:
Akakor é uma suposta cidade perdida, que estaria localizada nas regiões fronteiriças da Amazônia brasileira e que teria origem pré-colombiana. O criador, ou descobridor, do mito é um alemão chamado Gunther Hauck, usando o nome de Tatunca Nara, que fugiu para o Brasil em 1968 depois de inventar uma história baseado em mitos já conhecidos como o Eldorado e o Paititi, refúgio onde os incas teriam escondido as toneladas de ouro que seriam pagas como resgate ao conquistador espanhol Francisco Pizarro pelo imperador Atahualpa.
 



Em compensação, muitas pessoas acreditaram na história relatada por Tatunca Nara devido ao seu passado obscuro e também ao fato de que até hoje são encontrados sítios arqueológicos e ruínas de civilizações pré-colombianas nas regiões próximas às fronteiras do Brasil.
Anos depois se descobriu que Tatunca Nara era um informante dos órgãos de repressão militares durante a ditadura.
Karl Brugger, o jornalista que publicou a história relatada por Tatunca Nara foi assassinado em 1984 no Rio de Janeiro. Paititi:
Paititi refere-se a lendária cidade perdida localizada no leste do Andes, escondida em algum lugar remoto das florestas tropicais do sudeste do Peru, norte da Bolívia e sudoeste Brasil. No Peru a lenda de Paititi gira em torno da história do herói cultural Inkarrí que, depois que ele fundou Q’ero e Cuzco, ele recuou para a selva de Pantiacolla, para viver o resto de seus dias na sua cidade de refúgio de Paititi. Outras variantes da legenda dizem que Paititi era um refúgio inca na zona fronteiriça entre a Bolívia e o Brasil.
Segundo algumas lenda locais, Paititi (ou talvez Eldorado), teria como capital uma cidade chamada Manoa - (também conhecida como “a cidade dos telhados resplandecentes”). Uma história passada pelos índios aos conquistadores espanhóis, dizia que paititi seria um reino encantado, perdido em meio às selvas, outrora habitado por uma estranha raça de seres, adoradores do Sol, cujo nome seria Ewaipamonas – desprovidos de pescoço e cujos rostos ficariam situados à altura dos seus peitos. E os seus templos e imponentes palácios seriam ornados do mais puro ouro. Dizem as lendas que o chefe supremo dessa civilização seria um homem conhecido como “Príncipe Dourado”, ou “Eldorado”, dotado de aparência resplandecente, cujas vestes e até mesmo o próprio corpo seriam recobertos de ouro, ornados ainda pelas mais belas e valiosas jóias – segundo descrito pelo historiador Fernandes de Oviedo, em 1535.
Em 2001, o arqueólogo italiano Mario Polia descobre o relatório do padre Andrea Lopez nos arquivos dos jesuítas em Roma. Este relatório falava acerca da misteriosa cidade de Paititi, ou talvez Eldorado – um reino perdido situado nos lados inexplorados das florestas peruanas, na região abrangida pelas densas e hostis Selvas Amazônicas. Segundo esse relatório, os missionários Jesuítas daqueles tempos, liderados pelo Padre Andrea Lopez, teriam encontrado Paititi, ou Eldorado (segundo descreveram uma cidade adornado pelo ouro, prata e pedras preciosas) e pediram, então, a devida permissão ao Papa para evangelizar os seus habitantes, o que foi de pronto negado e abafado pela Igreja Católica, escondendo ainda a sua localização, de modo a “evitar uma corrida do ouro ao local e, ainda, a eventual ocorrência de uma histeria em massa”.

As Grandes Pirâmides Brasileiras Brazilian Pyramids In Amazônia

 

MISTÉRIO NA AMAZÔNIA - GIGANTESCOS GEOGLIFOS NA FLORESTA


Gigantescos Geoglifos na Floresta Amazônica Brasileira



Os geoglifos formavam um grande sistema que se estendia por centenas de quilômetros nessa região da Amazônia.



Série "A Última Fronteira" - O Mistério dos Geoglifos


Alienígenas do Passado: HD Geoglifos da Amazônia The History Channel Erich von Däniken G1 Globo 2014


Descubren 20 geoglifos en Amazonia brasileña






Total de visualizações de página

Página FaceBook