BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


quarta-feira, 15 de abril de 2015

Toneladas de peixes mortos nas Lagunas




Equipe trabalha também pulverizando essência de eucalipto no entorno do espelho d'água

Rio -  Em uma semana, a Comlurb já recolheu 37,4 toneladas de peixes mortos da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio. A empresa mobilizou equipe de 62 garis para atuar na limpeza e retirada de animais do espelho d'água. Do contingente, 50 trabalham no entorno pulverizando essência de eucalipto e 12 garis, embarcados em dois catamarãs, contando ainda com o apoio de outra embarcação, recolhem os bichos.
Segundo a empresa, os trabalhos continuam até que cesse a mortandade.
Mortandade de peixes em lagoas será investigada

Fenômeno na Lagoa de Araruama, semelhante ao da Lagoa Rodrigo de Freitas, é tema de audiência pública

Rio - Um choque térmico (encontro de águas geladas do mar com água morna por causa da ressaca que atingiu o Rio na semana passada) segundo a Secretaria Municipal do Ambiente, provocou a morte de milhares de peixes da espécie savelha na Lagoa Rodrigo de Freitas. Cartão-postal do Rio, a Lagoa é sede das competições olímpicas de remo e canoagem. A Comissão de Defesa de Meio Ambiente da Alerj vai investigar as causas do fenômeno. Desde a última quinta-feira, foram recolhidas 19 toneladas de peixes e o mau cheiro já toma conta de todo o entorno da área. Os trabalhos da Comlurb mobilizam 62 garis por turno e dois catamarãs.

Na Lagoa de Araruama, mortandade traz prejuízos à pesca e ao turismo
Foto:  Reprodução

Longe dali, a Lagoa de Araruama também vem sofrendo com a mortandade de peixes. O problema, que afeta seis municípios da Região dos Lagos, não é recente. De acordo com a bióloga Maria Helena Baeta, os peixes daquela lagoa vêm morrendo desde 1978. “Na época, um estudo mostrou que todo o esgoto da região era jogado in natura nas lagoas”. Ela diz que atualmente as concessionárias Águas de Juturnaíba e Prolagos fazem o tratamento, mas mesmo assim ainda há pontos de esgoto.
Para tratar desse assunto, acontece nesta terça-feira na Alerj uma audiência pública da Comissão de Assuntos Municipais e Desenvolvimento Regional, presidida pela deputada estadual Marcia Jeovani (PR). Natural de Araruama, Márcia conhece de perto o fenômeno. “Sei que alguma coisa grave está acontecendo. A mortandade tem sido frequente e por isso resolvemos reunir biólogos e representantes do governo estadual para chegarmos a uma solução e salvarmos a lagoa”. Ela lembra que o problema não é só da região. Além da Lagoa Rodrigo de Freitas, espécies de peixes apareceram boiando na Lagoa de Piratininga, em Niterói, no início de março.


“A situação afeta o turismo e principalmente a pesca. Precisamos pensar num plano para ajudar pescadores que não podem contar apenas com o auxílio-defeso”, diz ela, que defende um projeto para criação de frigoríficos pesqueiros nas áreas atingidas.
Nesta segunda-feira, deputados visitaram o entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas. Para o presidente da comissão, deputado Thiago Pampolha (PTC), o monitoramento permanente e um plano de contingência são fundamentais para evitar o problema.
Esgoto, chuva e até seca causam problema
Técnicos acreditam que o aumento da salinidade na Lagoa de Araruama e as microalgas são responsáveis pelo baixo nível de oxigenação das águas, especialmente entre São Pedro da Aldeia e Cabo Frio. As fortes chuvas e a entrada de água doce, proveniente da estação de tratamento de esgoto das concessionárias, contribuiriam para o problema.
Para Chico Guimarães Neto, o Chico Pescador, a mortandade de peixes este ano foi maior não apenas pelo despejo de esgoto, mas também devido à falta de chuva, o que ocasionou mais salinidade nas águas da lagoa. “Morreu muita sardinha. O resultado da análise de biólogos revelou que as guelras dos peixes estavam cheias de microalgas que se proliferam por conta do esgoto”.
Mortandade de peixes na Lagoa pode se alastrar, diz Moscatelli
Biólogo pede plano de contingência

Rio - Peixes mortos, mau cheiro e muita sujeira: era esse o cenário que os frequentadores da Lagoa Rodrigo de Freitas viram ontem. “Isso aqui já nem é novidade. É uma vergonha que aconteça com essa frequência na cidade olímpica”, disse Gustavo Silveira, 34 anos, que costuma andar de skate na região.

Peixes savelha apareceram mortos na Lagoa Rodrigo de Freitas
Foto:  Carlos Moraes / Agência O Dia
Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, as chuvas intensas que ocorreram nos últimos dias levaram uma grande quantidade de matéria orgânica para a lagoa. A matéria orgânica em decomposição absorve o oxigênio da água, ocasionando a morte dos peixes. A secretaria acrescentou que a espécie atingida nos últimos dias foi a savelha.
O biólogo Mário Moscatelli afirma, no entanto, que é necessário um plano de contingência da prefeitura junto aos pescadores para retirar os peixes mortos para que a mortandade não atinja outras espécies.





Total de visualizações de página

Página FaceBook