BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


terça-feira, 2 de junho de 2015

A misteriosa caverna dos gigantes ruivos






Muitas tribos nativas do noroeste e sudoeste dos Estados Unidos ainda falam sobre as lendas de gigantes ruivos e de como seus ancestrais combateram longas e terríveis guerras contra estes gigantes, há mais de 15.000 anos.

Mesmo na América Central, os antigos astecas e maias registraram seus encontros com uma raça terrível de gigantes no norte, quando eles se aventuravam em expedições à procura de novas terras.
Quem eram estes gigantes que muitas lendas falam a respeito?  Poderia esta ser uma parte da história que tem sido ignorada pelos acadêmicos?  Seria possível, como a evidência sugere, que gigantes viviam na Terra, num passado distante?
Tem havido numerosos lugares no globo onde foram escavados esqueletos gigantes em sítios arqueológicos.  Pesquisadores apontam que nos Estados Unidos estes misteriosos gigantes foram encontrados nos estados de Michigan, Illinois, Tennessee, Arizona e Nevada.
Em 1924, estes mitos se tornaram realidade quando pesquisadores descobriram, no estado de Nevada, restos de seres gigantes na Caverna Lovelock.  A caverna – localizada a 20 quilômetros ao sul da cidade de Lovelock – tem aproximadamente 12 metros de profundidade e 18 de largura.  Ela é uma caverna que data da época pré-humana no continente.  Em tempos pré-históricos ela ficava sob um enorme lago, chamado de Lahontan, que cobria a maior parte do oeste de Nevada.
Geólogos determinaram que a caverna foi formada pela ação de ondas e correntes do lago.
Os Paiutes, uma tribo nativa da região dos estados de Nevada, Utah e Arizona, contaram aos primeiros ‘homens brancos’ a história de batalhas de seus ancestrais contra uma raça de gigantes ferozes, com pele pálida e cabelo vermelho.
De acordo com a tradição paiute, estes gigantes viveram na região por muito tempo.  Os paiutes chamavam os gigantes de “Si-Te-Cah”, que literalmente significa “comedores de junco”.
O junco é uma planta aquática muito fibrosa, da qual os gigantes faziam balsas, as quais teriam sido usadas para navegar e escapar dos paiutes.
Eles usavam as balsas para navegar através do que restou do Lago Lahontan.  De acordo com as lendas dos paiutes, estes gigantes de cabelo ruivo eram cruéis e maus, matando e comendo os paiutes capturados.
Milhares de anos mais tarde, a misteriosa caverna onde os gigantes se refugiavam foi redescoberta e escavada.  Após 13 anos de escavações, arqueólogos fizeram descobertas incríveis.
Mais de 10.000 artefatos foram escavados e entre eles estavam os restos mumificados de dois gigantes.  Uma fêmea de 6,5 metros de altura e um macho de 8 metros.
Estas ilustrações de esqueletos representam “somente alguns” dos restos de mortais de gigantes, desenterrados e documentados em registros históricos… (todas as medidas estão em pés x’ e polegadas y”.
Muitos artefatos podem ser vistos no museu de história natural, localizado em Winnemucca, Nevada. Porém, os esqueletos gigantes não estão em exposição.  À medida que os arqueólogos continuaram com as escavações, os mitos dos paiutes pareciam cada vez mais como contos precisos do que teria acontecido num passado distante.
Teriam mesmo estes gigantes existido e, se realmente existiram, estariam eles completamente extintos hoje?
Estas e outras perguntas relacionadas a este mistério talvez nunca venham à tona para nós, meros cidadãos comuns.

Machados e marretas gigantes da antiguidade intrigam pesquisadores

Alguns registros da nossa história são bem claros quando dizem que a Terra foi uma vez habitada por gigantes e estes viviam conosco.  Até mesmo livros religiosos, como a Bíblia, fala destas enormes criaturas.  Contudo, todos esses registros têm sido descartados pela comunidade científica como sendo mitologia, afinal, por que desafiar e mudar o status quo?
Mesmo assim, há indicações e evidências por todo o mundo mostrando que a possibilidade de gigantes terem vivido entre nós é extremamente plausível.
Veja abaixo alguns fatos e fotos de instrumentos da antiguidade, os quais, devido ao seu enorme tamanho, não teriam utilidade prática para humanos de estatura normal.
Aparentemente, estas são as maiores ferramentas de pedra já encontradas e têm havido muitas mais ao redor do mundo:
Estes utensílios de pedra (cabeças de machado) foram encontrados no leito de um lago em Botswana e são de entre 10.000 a 250.000 anos atrás. Fonte: phys.org

Mais abaixo, possíveis ‘cabeças’ de marretas encontradas nas Grandes Minas Orme, no País de Gales.  Estima-se que uma pessoa teria que ter entre 3,6  a 4,5 metros de altura para utilizar estas ferramentas de forma segura e eficiente:
Uma marreta de 30 quilos seria impossível de ser prática para o uso de um humano. Fonte: s8int.com

Foto de possíveis marretas encontradas em Orme

Os grandes machados antigos de Minóicos e Cretanos:
Que humano poderia utilizar este armamento em batalhas e ainda ter agilidade?

Uma estrutura piramidal foi encontrada na selva do Equador e revelou algumas descobertas interessantes.  Espalhados pela área havia muitos artefatos de pedra e cerâmica (que aparentemente foram roubados nos recentes meses). Muitos desses objetos pareciam ser ferramentas de pedra que podiam ter sido usados na mineração ou no refinamento de algum tipo de minério.  Entre estas ferramentas estão algumas que seriam extremamente difíceis para um humano de estatura normal utilizar de forma prática.  Isto levou à uma forte suspeita de que esta é uma das legendárias cidades de gigantes, bem conhecida dentre as lendas locais equatorianas.  Tais locais geram um grande temor entre os membros das tribos de hoje, pois eles acreditam que estas regiões sejam protegidas por espíritos guardiões, ou por seres  de outro mundo.  Muitos exploradores têm ido para dentro da floresta, e nunca mais retornam.  Até mesmo os exploradores mais experientes têm desaparecido sem deixar nenhum traço.
Estrutura encontrada na selva equatoriana. Fonte: earth4all.net

Estas espadas foram encontradas na Finlândia, junto a um corpo que estava relativamente bem preservado.  A pessoa foi enterrada com uma espada da era dos Vikings (a menor) e outra de origem desconhecida (a espada grande):
Conclusão:
Ou parece que o homem da antiguidade era muito ambicioso no desenho de alguns de seus implementos que não são viáveis ergonomicamente, ou estes implementos enormes não foram feitos pelo Home sapiens.  Considerando a quantidade de trabalho necessária para fabricá-los, as razões frívolas parecem estar fora de cogitação.
Assim, quem os fabricou e como eram estes seres?  O que nós, como Homo sapiens, aprendemos sobre fazer espadas, machados e marretas, mineração e construções de pedra destes homens?  Será que deveríamos começar a procurar por algumas formas ‘inferiores’ de estruturas e ferramentas megalíticas para ver se talvez o Homo sapiens imitou os criadores e mestres?  Finalmente, seríamos capazes de conhecer a quem dar o crédito por essas descobertas espetaculares – o povo nativo ou os originadores.
Os exemplos mostrados acima constituem uma pequena amostragem de artefatos desproporcionalmente grandes para serem usados por humanos.  Uma procura na Internet poderá trazer muitos outros exemplos.
Considerando-se o fato da possibilidade de termos vivido juntos com uma raça de gigantes, fica aqui a pergunta: para onde foram eles?




Total de visualizações de página

Página FaceBook