BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


segunda-feira, 24 de agosto de 2015

O que Sabemos não é tudo que Existe - Parte 166 ALTAIR!



"Onde quer que exista um corpo lá também estará uma águia" (Antigo axioma hermético)

























Disco, asas, serpentes, divindades exóticas; a sempre insistente correlação com o céu - o firmamento infinito e estrelado..... Conhecimentos originários de antigas e muito sábias civilizações, os quais atravessaram as idades, guardando as suas silenciosas, porém muito expressivas mensagens até que os homens finalmente pudessem entendê-las.....


..... E que profundas e misteriosas mensagens nos chegam desde o nosso mais remoto, distante e perdido passado? Essa talvez a maior de todas: - a MÃE CELESTE abre as ASAS protetoras sobre seus filhos! Devemos literalmente, e no mais estrito sentido, interpretar tais antigos simbolismos? Não estariam eles repletos de verdades que somente agora, nestes tempos maravilhosos e reveladores do Terceiro Milênio, estamos começando a entender e corretamente interpretar?


Sim, pois tudo, então, se torna a cada dia muito mais claro! Simbolismos são simbolismos, e notadamente aqueles que nos chegam desde os mais remotos períodos históricos, devem ser olhados pelas pessoas realmente inteligentes e lúcidas mediante olhares mais atentos. Deuses celestes, primorosas metáforas da sábia Civilização Egípcia, aspergem ANKH, o símbolo, ou a CHAVE DA VIDA, sobre um ser humano. Um deles, tem a cabeça de um falcão e, sobre toda a cena, um disco provido de ASAS! Mas Hórus, o importante deus do complexo Panteão Egípcio teria mesmo a cabeça de um falcão, assim como nos ensina a Egiptologia clássica, ou seria de uma OUTRA ave cujo verdadeiro sentido e o mais amplo significado se perderam no tempo?


O passado tem mesmo muito a revelar! E por trás dos simbolismos, até mesmo aqueles muito mais antigos, advindos da nossa mais remota pré-história, igualmente escondem-se verdades absolutas. Verdades antigas e silenciosas na pedra, assim como essa: um ser usando capacete; cordão umbilical, a ligação vital entre a mãe e o filho ainda em processo de gestação. Imagens evidentes, símbolismos cristalinos!


ÁGUIA, ou Aquila, constelação setentrional que, conforme preliminarmente já vimos na nossa página anterior, sempre foi representada pelos antigos sábios como uma águia transportando um bebê humano através da vastidão do Universo. Essa outra antiga ilustração, torna-se, então, muito mais reveladora, uma vez que a criança humana projeta através do seu arco uma flecha em direção ao Cosmos. Como sempre afirmamos, todo simbolismo será sempre altamente expressivo, uma vez que este, em particular, nos conduzirá a uma espantosa verdade que esteve oculta, ciosamente velada por durante muitos milênios:


Esta é ALTAIR, magnitude 0.8, a mais brilhante estrela da constelação de Águia.....


..... Uma estrela que, assim como a esmagadora maioria de todas as miríades de outras existentes no Universo, certamente deve ter os seus planetas associados, muitos deles habitados! 17 anos luz da Terra, o que exatamente significaria isso em termos cósmicos, onde o tempo e o espaço simplesmente não existem, podendo, por conseguinte, ser manipulados pela tecnologia, talvez milhões de anos à nossa frente, de uma avançada civilização?


Aqui, um detalhe da Constelação de Águia tendo como ponto mais notável o detalhe na imagem que lhe deu o nome, ou seja, uma conformação que, de fato, lembraria uma águia em vôo.....


.... Aqui melhor visualizado no seu correspondente negativo. Notável? Sim, principalmente porque.... COMO as mais antigas civilizações SABIAM DISSO, tanto que deram o nome de ÁGUIA a essa constelação? Elas não dispunham de sofisticados telescópios ou sequer de veículos ou sondas espaciais que pudessem conduzi-las a distâncias tão grandes! A surpreendente resposta está contida nessa antiga frase: .... Aquário, síntese dos dois reinos: Água e Ar; o retorno dos nossos longínquos antepassados que, advindos em épocas remotas da estrela Altair, da constelação da Águia, fecundaram a vida na Terra". Sim, não existiria uma outra explicação mais lógica! Justamente porque a Ciência não explica COMO a nossa espécie repentinamente surgiu neste planeta, suplantando todas as demais, literalmente herdando a Terra!


Os Antigos Sábios também diziam que - "O Menor é a Réplica do Maior". Nada mais acertado! Nesse particular, até muito recentemente, a Ciência descartava alguns estranhos elementos presentes no nosso DNA sob a classificação de "DNA Lixo". Uma espécie de "lixo" todavia altamente relevante se acaso desejarmos - e se realmente estivermos interessados - em saber quem somos e de onde viemos. Aquilo que os modernos sábios e cientistas desconheciam e classificavam como "lixo", simplesmente continha a chave da nossa herança genética: partículas somente presentes no UNIVERSO, exatamente de onde a nossa espécie, forasteira, VEIO em tempos muito remotos!


Habitamos um ínfimo espaço à beira da nossa galáxia, a Via Láctea, e o nosso modesto Sistema Solar orbita uma estrela amarela, anã, de quinta grandeza - o nosso Sol. A partir dele encontramos seus planetas associados, muitos deles contendo fortíssimas evidências de que a VIDA não é um exclusivo privilégio deste nosso pequeno planeta que costumamos chamar de Terra. No Universo existem bilhões de bilhões de estrelas e galáxias, tão incontáveis e até mesmo em maior número do que todos os grãos de areias contidos nos nossos mares e em todas as nossas praias. A vida, então, torna-se uma condição essencialmente matemática nesse processo. No nosso Sistema, em particular, e de acordo com a proximidade do Sol, três desses planetas, teoricamente se situam dentro da chamada "faixa" sustentadora de vida": - Terra, Marte e Vênus - o que, todavia, não impede que para mais além existam em alguns outros formas de vida totalmente diferentes daquelas que possamos conhecer, ou sequer imaginar.


Civilizações nascem, crescem, vivem e morrem. Evidentemente, muitas delas ainda estão nascendo, outras vivendo e muitas delas morrendo. Ao passo que muitas outras já desapareceram do imponente cenário cósmico. Marte, o chamado "planeta vermelho", muito próximo de nós, é um exemplo bastante típico:


Lá, muito embora os meios científicos relutem em reconhecer, habitara em tempos muito remotos uma avançada civilização cujas marcas ainda hoje se fazem visíveis. Um violento cataclismo qualquer, então, subitamente drenou toda a sua atmosfera, tonando-o um mundo devastado e árido.


Contudo, nessa devastação e aridez atualmente presentes no solo marciano, as intrigantes imagens tomadas pelas nossas sofisticadas sondas exploratórias claramente nos mostram os vestígios deixados pelas mãos de seres inteligentes!....


.... Marcas que jamais poderiam se tratar de meros processos naturais, tais como pirâmides, monumentos exóticos, e até mesmo a presença de curioso objetos metálicos, simetricamente dispostos no seu solo (à direita)!!!


Hoje a Ciência já reconhece que o outro nosso mais próximo vizinho, Vênus, à semelhança de Marte também possuiu seus rios, mares, vegetação e uma abundante atmosfera, como também e muito possivelmente VIDA:


Assim deve ter sido a superfície de Vênus em tempos muito recuados. Uma outra catástrofe qualquer, possivelmente causada pelo impacto de um meteoro contra o planeta, segundo pensam os cientistas, deve ter causado um poderoso colapso e desequilíbrio no efeito estufa que literalmente crestou tudo, transformando-o em um astro morto e infernal.


Vênus, aliás, um planeta anômalo, é o único no nosso Sistema cuja sentido de rotação se dá ao contrário de todos os demais, o que, segundo os cientistas, reforçaria a hipótese do antigo e violento choque de um meteoro!


Atualmente, atividades vulcânicas e rios de lava tomaram conta da superfície outrora benéfica e fértil de Vênus. Uma atmosfera densa e letal, bem como o calor que se torna infernal, cerca de 450 graus centígrados, impedem assim qualquer tipo de forma de vida de sobreviver.


A nossa pequena Terra, em comparação com Vênus (à direita) e Marte, ainda é um abençoado oásis no nosso Sistema Solar. Contudo, paira sobre as nossas desmioladas cabeças uma ameaça sinistra: a poluição desenfreada; a reversão do efeito estufa, tudo por nós mesmos sendo irresponsavelmente causados; além da eventualidade de uma guerra nuclear - ou quem sabe o impacto de um meteoro - poderão igualmente liquidar o planeta e extinguir de um só golpe toda a nossa prepotente civilização! (FOTO: © Walter Myers)


Retornemos, então, ao expressivo simbolismo da Águia - também encontrado no solo de MARTE. Notável semelhança! Fantástico? Sim. Mas, não é mesmo verdade aquilo que enigmaticamente já dizia o muito antigo e hermético axioma: - "Onde quer que exista um corpo lá também estará uma águia"?


E terá sido mera coincidência a NASA ter escolhido exatamente ESTE, o simbolismo da Águia, para o emblema da sua Missão Apollo-11, a primeira a levar o homem a tocar seus pés em um outro corpo celeste?


Não; absolutamente, NÃO! Coincidências simplesmente não existem! O módulo que transportou os primeiros astronautas ao solo da Lua igualmente se chamava ÁGUIA! Atavismo, reminiscências do passado, ou quem sabe uma homenagem velada por parte daqueles que também SABEM porém se recusam a revelar?


E tudo não será mesmo cíclico? A trajetória humana, sob a égide da Águia, se repete? Parece que SIM! Tudo é mesmo, e sempre, um recomeço. Do Universo estrelado viemos e para o Universo estrelado um dia voltaremos a partir, semeando a vida em outros distantes mundos, tal como no mais remoto e longínquo passado. Coincidências existem? Quem sabe? Nada mesmo é por mero acaso! Nossa avô materna, uma criatura angelical e doce, um verdadeiro anjo perdido aqui na Terra, teve onze filhos. Um deles, e portanto a nossa saudosa tia, praticamente foi a minha segunda mãe; velou pela minha infância, velou pela minha juventude, velou por mim até o seu último suspiro. Tínhamos um carinho recíproco e recentemente ela passou para o outro plano, em paz, serena e abençoada, como que dormindo sobre um sofá da sua casa. Existem, de fato, coisas transcendentes, não podemos controlar. Réquiem! Minha filha, dotada de rara sensibilidade, acorrendo ao local ao nosso chamado, escutou - ela, somente ela - bem na entrada do prédio em que minha tia residia, cânticos muito sublimes que misteriosamente não provinham de lugar algum. Homenagem merecida! Acontece: nas tortuosas correntezas da vida, por vezes as coisas passam por nós e simplesmente as ignoramos, deixamos que simplesmente passem. Observávamos naquele momento com natural tristeza o seu corpo inerte, mas somente agora nos apercebemos que exatamente ali estivera, bem ao nosso lado e por durante tantos anos da vida, a resposta para todas as nossas dúvidas. Pois, até mesmo o nome que recebemos ao nascer não é por mero acaso, tem o seu significado! Deus trabalha misteriosa e sabiamente. De todos os demais irmãos, ela era justamente aquela mais apegada comigo, a que tinha o nome mais exótico. E, assim, esteve um Anjo ao meu lado, com o nome tão procurado para uma resposta, e lamentavelmente jamais me dei conta disso. Pois, não é mesmo verdade que toda constelação terá sempre a sua mais brilhantes estrela? Sim, claro, uma vez que "Onde quer que exista um corpo lá também estará uma águia"E a minha saudosa tia não possuía mesmo na sua alma a Luz, como também não trazia consigo a chave que tanto buscávamos? Sim! E você, Prezado(a) Visitante, será que também encontrou a resposta, deseja saber o seu nome? Isso mesmo: o nome dela era... ALTAIR!








Total de visualizações de página

Página FaceBook