BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


sábado, 23 de dezembro de 2017

Os Segredos da Física Quântica





Frequentemente a sua realidade é criada e determinada pela sua mente. 

Se você permanecer fortemente correlacionado com os seus sonhos, projetos ou desejos, então eles se concretizarão mais eficazmente na sua realidade.





O PODER QUÂNTICO CRIADOR DA NOSSA MENTE:



Na realidade quântica as partículas são invisíveis, e nada é capaz de captá-las, nem os sentidos humanos e nem os instrumentos da Física. Misteriosamente, os físicos descobriram que para uma partícula se materializar na realidade física, elas necessitam entrar em contato com uma consciência, ou seja, somente quando a partícula é estudada ou observada por uma mente humana, é que então ela é transferida da realidade quântica para a realidade física, e a esse processo os físicos dão o nome de Colapso da Função de Onda, uma das coisas mais fantasmáticas e misteriosas da Física Quântica.



Segundo o Princípio da Simetria, as leis que regem a realidade quântica são as mesmas leis que regem a realidade humana, e isso significa que o mesmo poder que a mente humana tem de materializar partículas, ela também tem de materializar sonhos, projetos e desejos. A única diferença é que na realidade humana as partículas a serem materializadas são substituídas por sonhos, projetos e desejos.

Segundo o Colapso da Função de Onda, a mente humana tem o poder de criar realidades, e sobre esse assunto certamente você já deve ter ouvido falar bastante através da mística e dos cursos de autoajuda. Porém, agora você está ouvindo o testemunho da própria ciência, com base em cálculos e em experimentos de laboratório, e isso faz uma grande diferença.

As pessoas ficariam perplexas se soubessem o quão frequentemente a sua realidade é criada e determinada pela sua mente, produzindo encontros, contextos e circunstâncias positivas ou negativas, dependendo do seu comportamento mental. Os físicos John Von Neuman, Eugene Wigner e David Bohn, ganhadores do Prêmio Nobel, todos eles acreditavam nisso, e portanto também você deveria fazer o mesmo, pois então poderia direcionar esse poder criador da sua mente para propósitos específicos.




Os físicos descobriram que quando duas partículas estão correlacionadas quanticamente, elas interagem instantaneamente uma com a outra, de um modo misterioso e fantástico, mesmo separadas por uma grande distância, e esse processo quântico também ocorre na realidade humana. De fato, se você permanecer fortemente correlacionado com os seus sonhos, projetos ou desejos, então eles se concretizarão mais eficazmente na sua realidade. Mas é preciso saber se correlacionar quanticamente com aquilo que você deseja concretizar na sua vida, e existem diferentes modos de fazer isso.

Através de cálculos e estudos os físicos descobriram que a causa do universo é uma espécie de consciência, que eles chamam de Princípio Antrópico Forte, ou seja, o universo foi criado por essa espécie de consciência universal. Segundo o filósofo Baruch Espinoza, a substância divina está presente em todas as coisas, e tudo o que existe tem uma essência pensante, essa é a doutrina do Pampsiquismo, e entre essas coisas, a realidade humana é a que mais plenamente ostenta essa relação com a Substância Divina ou Consciência Universal.




Essa mesma ideia foi também defendida por eminentes filósofos como William James e Bertrand Russel, e por físicos da estatura de Arthur Eddington e Roger Penrose. É precisamente a presença dessa consciência universal em cada um de nós que nos dá o poder de criar realidades através do Colapso da Função de Onda, e você deveria refletir profundamente sobre isso, antes de achar que não é capaz de realizar o seu sonho ou projeto.

O poder de criar realidades através da nossa mente é uma das mensagens mais estimulantes que a Física Quântica nos transmite, e se você acreditar nisso e for capaz de permanecer fortemente correlacionado com o seu sonho ou projeto, então não há dúvidas de que eles se realizarão na sua vida e na exata medida dos seus desejos. Acredite nisso, pois agora já não se trata mais de misticismo, mas de Física Quântica!

Sobre o autor: Osny Ramos – Osny Ramos é engenheiro mecânico e bacharel em Filosofia, possuindo pós-graduação em Filosofia da Ciência e mestrado em Antropologia Filosófica. Tem 3 livros publicados, sendo um sobre Física Quântica e 2 sobre Estudo de cores. 

A MECÂNICA QUÂNTICA FICOU AINDA MAIS ”ASSUSTADORA”!




Os físicos confirmaram que partículas distantes realmente podem influenciar umas às outras e agir de forma estranha que não pode ser explicada pelo senso comum ou, na sua maior parte, pelas leis da física tradicionais.

Esse comportamento bizarro é conhecido como entrelaçamento, ou emaranhamento quântico, e apesar de muitas experiências mostrarem que ele existe, esta é a primeira vez que foi demonstrado com um teste livre de brechas, provando que Albert Einstein (que definia esse comportamento como “assustador”) estava errado sobre a mecânica quântica.

De acordo com a teoria quântica, a natureza de uma partícula não existe até que ela seja medida, o que significa que ela apenas existe em um estado de superposição até que alguém decida observar. As partículas também podem ser entrelaçadas, o que significa que elas estão intimamente ligadas entre si não importa a distância que as separem – se o estado da partícula A, localizada do outro lado do universo, for alterado, o estado da partícula B, aqui na Terra, também será, instantaneamente.




Então isso significa que quando você mede uma partícula, você não só está determinando a sua natureza naquele momento, você também está definindo a natureza da sua parceira emaranhada. É por esta razão que Einstein, e muitos outros físicos, duvidaram da existência do emaranhamento quântico, porque essencialmente significa que a informação passa entre as duas partículas emaranhadas muito mais rápido do que a velocidade da luz – possivelmente em uma velocidade infinita.

Este último experimento envolveu físicos da Holanda, Reino Unido e Espanha, que emaranharam pares de elétrons separados por uma distância de 1,3 km. Liderados pelo pesquisador B. Hensen da Delft University of Technology, na Holanda, a equipe mediu um dos elétrons enquanto um grupo observava imediatamente se seu parceiro era afetado.

Este é conhecido como “experimento Bell”, concebido na década de 1960 pelo físico irlandês John Bell para testar se havia uma explicação mais sensata para o emaranhamento. Segundo a visão racional do mundo, depois de uma certa distância, a correlação deve deixar de existir conforme as partículas estão muito longe para se comunicar umas com as outras. Mas de acordo com a teoria quântica, não há limite de distância.

Ao longo dos últimos 30 anos, a experiência de Bell foi tentada muitas vezes, sempre mostrando que a teoria quântica é real. Mas em todos esses experimentos havia lacunas – em geral o fato de que a maioria dos pesquisadores emaranhava os fótons, mas não conseguia medir devido à sua natureza super-rápida, tornando os resultados inconclusivos .


Em uma tentativa de fechar essa lacuna, muitos físicos usaram íons emaranhados em vez de fótons. Mas isso abria outra lacuna, porque estes íons não ficavam suficientemente afastados, abrindo a possibilidade de que a comunicação era feita em uma velocidade menor que a da luz.

O novo experimento conseguiu fechar essas brechas combinando os benefícios de fótons com elétrons, que são mais fáceis de medir. Para fazer isso, a equipe emaranhou o spin de dois elétrons com dois fótons diferentes. Esses dois elétrons estavam localizados em laboratórios separados por 1,3 km, enquanto os fótons foram enviados para um terceiro local e, em seguida, emaranhados em separado com os outros.




Assim que os fótons são emaranhados, bingo, os dois elétrons originais giram, mesmo em laboratórios muito distantes. A equipe realizou 245 testes do experimento, comparando elétrons entrelaçados e relatam que o limite de Bell é violado, e mostrando uma das raras vezes que Einstein estava errado.


O experimento também é um enorme passo para a criptografia quântica, que é um sistema de segurança hipoteticamente impossível de ser violado, uma vez que depende de partículas emaranhadas para verificação. 

Cientistas acreditam que a Física Quântica comprova a Reencarnação



Desde que o mundo é mundo discutimos e tentamos descobrir o que existe além da morte. Desta vez a ciência quântica explica e comprova que existe sim vida (não física) após a morte de qualquer ser humano.

Um livro intitulado O biocentrismo: Como a vida e a consciência são as chaves para entender a natureza do Universo “causou” na Internet, porque continha uma noção de que a vida não acaba quando o corpo morre e pode durar para sempre. O autor desta publicação é o cientista Dr. Robert Lanza, eleito o terceiro mais importante cientista vivo pelo NY Times, não tem dúvidas de que isso é possível.

Além do Tempo e do Espaço



Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Advanced Cell Technology Company. No passado ficou conhecido por sua extensa pesquisa com células-tronco e também por várias experiências bem sucedidas sobre clonagem de espécies animais ameaçadas de extinção. Mas não há muito tempo, o cientista se envolveu com física, mecânica quântica e astrofísica. Esta mistura explosiva deu à luz a nova teoria do biocentrismo que vem pregando desde então. O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o universo.

É a consciência que cria o universo material e não o contrário. Lanza aponta para a estrutura do próprio universo e diz que as leis, forças e constantes variações do universo parecem ser afinadas para a vida, ou seja, a inteligência que existia antes importa muito. Ele também afirma que o espaço e o tempo não são objetos ou coisas mas sim ferramentas de nosso entendimento animal. Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo em torno de nós “como tartarugas”, o que significa que quando a casca sai, espaço e tempo ainda existem.



A teoria sugere que a morte da consciência simplesmente não existe. Ela só existe como um pensamento porque as pessoas se identificam com o seu corpo. Eles acreditam que o corpo vai morrer mais cedo ou mais tarde, pensando que a sua consciência vai desaparecer também. Se o corpo gera a consciência então a consciência morre quando o corpo morre. Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que uma caixa de TV à cabo recebe sinais de satélite, então é claro que a consciência não termina com a morte do veículo físico. Na verdade a consciência existe fora das restrições de tempo e espaço. Ela é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e no exterior de si mesma. Em outras palavras é não-local, no mesmo sentido que os objetos quânticos são não-locais.

Lanza também acredita que múltiplos universos podem existir simultaneamente. Para ele, o corpo pode estar morto em um universo, mas continuar a existir em outro, absorvendo a consciência que migrou para este universo. Isto significa que uma pessoa morta que viaja através do espaço-tempo, não acaba no céu ou no inferno, mas em um mundo semelhante a ela. E assim por diante, infinitamente, como um efeito cósmico de vida após a morte.

Vários Mundos



Alguns cientistas de renome têm a mesma opinião de Lanza. São os físicos e astrofísicos que tendem a concordar com a existência de mundos paralelos e que sugerem a possibilidade de múltiplos universos. Multiverso é o conceito científico da teoria que eles defendem. Eles acreditam que não existem leis físicas que proibíriam a existência de mundos paralelos.

O primeiro a falar sobre isto foi o escritor de ficção científica H.G. Wells em 1895, com o livro A Porta no Muro. Após 62 anos essa ideia foi desenvolvida pelo Dr. Hugh Everett em sua tese de pós-graduação na Universidade de Princeton. Basicamente postula que, em determinado momento o universo se divide em inúmeros casos semelhantes e no momento seguinte, esses universos “recém-nascidos” se dividem da mesma forma. Então, podemos estar presentes em diversos mundos, lendo este artigo em um universo e assistindo TV em outro.

Na década de 1980, Andrei Linde cientista do Instituto de Física da Lebedev, desenvolveu a teoria de múltiplos universos. Agora como professor da Universidade de Stanford, Linde explica que: o espaço consiste em muitas esferas que dão origem a esferas semelhantes, e aqueles, por sua vez, produzem esferas em números ainda maiores e assim por diante até o infinito. No universo eles são separados. Eles não estão cientes da existência do outro mas eles representam partes de um mesmo universo físico.

Alma



Assim, há abundância de lugares ou outros universos onde a nossa alma poderia migrar após a morte, de acordo com a teoria do neobiocentrismo.

Mas será que a alma existe? Existe alguma teoria científica da consciência que poderia acomodar tal afirmação?
Segundo o Dr. Stuart Hameroff uma experiência de quase morte acontece quando a informação quântica que habita o sistema nervoso deixa o corpo e se dissipa no universo. Ao contrário do que defendem os materialistas, Dr. Hameroff oferece uma explicação alternativa da consciência que pode, talvez, apelar para a mente científica racional e intuições pessoais.

A consciência reside, de acordo com Stuart e o físico britânico Sir Roger Penrose, nos microtúbulos das células cerebrais que são os sítios primários de processamento quântico. Após a morte esta informação é liberada de seu corpo, o que significa que a sua consciência vai com ele. Eles argumentaram que a nossa experiência de consciência é o resultado de efeitos da gravidade quântica nesses microtúbulos, uma teoria que eles batizaram de Redução Objetiva Orquestrada.

Consciência ou pelo menos protoconsciência é teorizada por eles para ser uma propriedade fundamental do universo, presente até mesmo no primeiro momento durante o Big Bang. “Em uma dessas experiências conscientes comprova-se que o proto esquema é uma propriedade básica da realidade física acessível a um processo quântico associado com atividade cerebral.”

Nossas almas estão de fato construídas a partir da própria estrutura do universo e pode ter existido desde o início dos tempos. Nossos cérebros são apenas receptores e amplificadores para a protoconsciência, que é intrínseca ao tecido do espaço-tempo. Então, há realmente uma parte de sua consciência que é não-material e viverá após a morte de seu corpo físico.



Dr. Hameroff disse ao Canal Science através do documentário Wormhole: “Vamos dizer que o coração pare de bater, o sangue pare de fluir e os microtúbulos percam seu estado quântico. A informação quântica dentro dos microtúbulos não é destruída, não pode ser destruída, ela só distribui e se dissipa com o universo como um todo.” Robert Lanza acrescenta aqui que não só existe em um único universo, mas talvez, em vários universos.

Se o paciente é ressuscitado, esta informação quântica pode voltar para os microtúbulos e o paciente diz: “Eu tive uma experiência de quase morte.”

Ele acrescenta: “Se ele não reviveu e o paciente morre é possível que esta informação quântica possa existir fora do corpo talvez indefinidamente, como uma alma.”

Esta conta de consciência quântica explica coisas como experiências de quase morte, projeção astral e até mesmo a reencarnação, sem a necessidade de recorrer a ideologia religiosa. A energia de sua consciência potencialmente é reciclada de volta, em um corpo diferente em algum momento e nesse meio tempo ela existe fora do corpo físico em algum outro nível de realidade e possivelmente, em outro universo.

E você o que acha? Concorda com Lanza?

O Efeito Isaías – Manuscrito escondido por dois mil anos, revela o segredo do poder humano



“ Reconheçam o que é visível e o que está oculto ficará claro”. Gregg Braden.
A Matriz Divina é a rede de energia que conecta o nosso universo, constituída por uma rede de filamentos muito semelhantes àqueles presentes no nosso cérebro.

Em 1944, Max Planck, o pai da teoria quântica, chocou o mundo quando disse que existe um lugar que é pura energia, onde todas as coisas têm início e que simplesmente “É”. Segundo o pesquisador Gregg Braden, que há mais de 20 anos se dedica a estes estudos, recentes descobertas destacam a evidência de que existe realmente essa matriz de Planck e é a Matriz Divina. Planck afirmava que esta “Matrix” é a origem das estrelas, das rochas, do DNA, da vida e de tudo o que existe.

Microscopicamente, não há nada natural, tudo é vibração, tudo é feito de energia condensada. Vivemos em um universo de vibrações e nossos corpos são constituídos de vibrações de energia que nós emanamos constantemente. A ciência já provou, através da física quântica, que estamos todos conectados através de nossa vibração. 



Experimentações científicas demonstraram que nosso DNA muda com as frequências produzidas pelos nossos sentimentos e emoções, ou seja, vibrações. Isto ilustra uma nova forma de energia que conecta toda a criação. Esta poderosa energia, parece ser uma Rede Estreitamente Tecida que conecta TODA a matéria e, ao mesmo tempo, podemos influenciar essencialmente esta rede de criação por meio de nossas VIBRAÇÕES. Os experimentos comprovaram, também, que as frequências energéticas mais altas, que são as do Amor, impactam no ambiente, de uma forma material, produzindo transformações não só em nosso DNA, mas no ambiente que nos cerca. Isto tem um profundo significa: possuímos muito mais poder do que imaginamos.

Todos nós já ouvimos falar desse “poder” que possuímos, principalmente através da Bíblia, mas essa afirmação quase nunca passou de citações que entusiasmavam, mas não convenciam.

Que poder é esse e por que só agora chegou ao nosso conhecimento?
Tudo começou com a descoberta de um antigo manuscrito, o Grande Código Isaías, e outros textos essênios, nas Cavernas de Qnram, no Mar Morto, em 1946. Atribuído ao profeta Isaías, parece ter sido escrito há mais de 2000 anos, e descreve tudo aquilo que a ciência quântica começou a compreender só poucos anos atrás, ou seja, a existência de muitos futuros possíveis para cada momento de nossas vidas e que, na maioria das vezes, escolhemos inconscientemente. Cada um desses futuros encontra-se em estado de repouso, esperando ser despertado com as nossas decisões feitas no presente. 


O Código Isaías descreve com precisão essas possibilidades, numa linguagem que só agora começamos a entender. Isaías descreve a ciência que nos ensina como escolher o tipo de futuro que queremos experimentar.

A partir da declaração do manuscrito, com exemplos simples e claros, Greg Braden nos refere que existe uma tecnologia muito usada nos tempos antigos, que foi dispersa no quarto século, como resultado do desaparecimento e destruição de livros raros ou relegados às escolas de mistérios, mas que agora, após a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto, estão reaparecendo. É uma tecnologia muito simples, conhecida universalmente com o nome de “Oração”. 



Aplicando corretamente, é possível obter coisas extraordinárias, além da imaginação humana. Mas claro! Quem não sabe disso? A maioria, podes crer! Senão, os milagres passariam a ser simples fatos cotidianos e não somente uma exceção. Com esta tecnologia, nós podemos realmente mudar o mundo.

Um modelo “perdido” de oração, que é quântico!

Os manuscritos achados no Mar Morto, é de uma importância considerável para a humanidade dormente, que até os dias de hoje, muitos ainda vivem à mercê de forças espirituais aleatórias, entregando o poder de seu destino nas mãos de qualquer outro ser, menos a si mesma. Nos mostram que nas mãos da humanidade se encerra um enorme poder, à espera de ser utilizado, mas que ainda não conhecemos. Explica como podemos escolher qual futuro desejamos experimentar, em sã consciência, revelando as chaves sobre o nosso papel como criadores de nossa realidade. Entre estas chaves encontram-se as instruções de um modelo “perdido” de oração, que a ciência quântica moderna sugere como o poder de curar nossos corpos, trazer paz duradoura no mundo e, até mesmo, prevenir as grandes tragédias climáticas que a humanidade poderia enfrentar.

Em que consiste essa tecnologia da oração e em que bases se apoia para que seja eficiente?



Gregg Braden diz que estamos sendo levados a aceitar a possibilidade de que existe um NOVO campo de energia acessível e que o nosso DNA se comunica com os fótons por meio deste campo. A chave para obter um resultado, entre os muitos possíveis já existentes, reside em nossa habilidade para sentir que nossa escolha já foi criada e está já acontecendo. Vendo a oração deste modo, como «sentimento», nos leva a encontrar a qualidade do pensamento e da emoção que produz tal sentimento: viver como se o fruto de nossa prece já estivesse a caminho.

A partir desta perspectiva, nossa oração, baseada nos sentimentos, deixa de ser “algo por obter” e se converte em “acessar” o resultado desejado, que já está criado. Com as palavras de seu tempo, os Essênios – os primeiros suspeitados de serem os responsáveis da conservação do conhecimento originário – nos lembram que toda oração já foi atendida. Qualquer resultado que possamos imaginar e cada possibilidade que sejamos capazes de conceber, é um aspecto da criação que já foi criado e existe no presente em um estado “adormecido” de possibilidades. Dessa forma, o futuro não é deterministicamente estabelecido, mas pode ser, também, alterado. 

Os essênios tinham uma visão holística da vida e, justamente por isso, consideravam os desequilíbrios da terra como um espelho dos desequilíbrios do corpo físico do homem. Mesmo as catástrofes naturais, as mudanças climáticas, são espelhos de grandes mudanças que estão ocorrendo na consciência humana.

Hugh Everett III, um físico da Universidade de Princeton, estudou a possibilidade de universos paralelos, chamando de “ponto de escolha”, o momento em que se pode sobrepor um efeito sobre outro no decorrer de um evento.

O ponto de escolha é a possibilidade da abertura de um vácuo, de uma ponte que permite mudar o caminho, passando para um outro resultado que se encontra em outro caminho paralelo: em síntese, é algo que nos permite dar um salto quântico de uma sequência de efeitos já experimentada a uma nova sequência com um êxito diferente. É como se a mesma história fosse escrita, prevendo finais diferentes: em um certo ponto, nos encontramos em uma bifurcação que nos permite obter um resultado ao invés de um outro. Por exemplo, se eu passo por um corredor, posso escolher de entrar nas salas que estão à direita ou à esquerda, mas só no final do corredor, posso sair e mudar de rumo, encontrar uma encruzilhada.

A nova física, admite que a experiência, ou mesmo a mera observação do cientista modifica a realidade; isso nos leva a crer que, se hoje, em nosso presente, formos capazes de introduzir uma pequena alteração, podemos então, escapar do efeito das profecias negativas, como já aconteceu, como resultado de uma concentração da energia do pensamento coletivo.

Usando o pensamento, sentimento e emoção unidos em nossa oração, podemos atrair os pontos de escolha e mudar os resultados previstos. Tudo isso, no fundo, nos leva à conclusão de que há uma profunda ligação entre nossos pensamentos coletivos, nossos sentimentos e nossas expectativas e a realidade externa. Esta forma de pensar era inerente à visão da vida dos essênios, como se revela nos escritos dos essênios de 2.500 anos atrás, os quais refletem a ideia de que os eventos externos são o reflexo de nossas mais profundas crenças internas.

Se Pensamento, Sentimento e Emoção não estão alinhados, não há União. Portanto: se cada padrão se move em uma direção diferente, o resultado é uma dispersão da energia. Pensamento, emoção e sentimento são a chave da tecnologia da oração e no interior de nós mesmos, devemos experimentar e sentir o que queremos realizar no exterior, precisamos sentir isto no corpo, nos pensamentos e sentimentos. Podemos dar o que temos, podemos expandir para fora de nós o que somos. Aquilo que desejamos, deve realizar-se contemporaneamente no pensamento, no sentimento e no corpo humano.
O pensamento e emoção, devem primeiro ser considerados separadamente e depois em conjunto, porque o pensamento deve ser o sistema de orientação que direciona nossas emoções.

Como se realiza:



O pensamento, mesmo sob a forma de imaginação, determina para onde direcionar a atenção e a emoção.

EMOÇÃO é a energia que nos faz ir na direção desejada, é a “fonte de poder”. Para Braden, nos extremos existem apenas duas emoções: o amor e a sua falta, muitas vezes identificada como medo. Logo, se você não está no Amor, você está no medo. E o medo atrai sempre aquilo que se teme.

Sentimento é a união de pensamento e emoção, de fato, para experimentar um sentimento, precisamos ter uma ideia e uma emoção. Então, o sentimento “é a chave da oração, porque a criação responde ao mundo do sentimento humano.”

Então, primeiro é importante entender e estar ciente dos pensamentos e emoções representados por nossos sentimentos, porque às vezes expressamos pensamentos que fundamentam emoções diferentes do que afirmamos, e assim, acabamos por realizar efeitos indesejáveis, ou fazemos de formas que a nossa Oração não funcione. Os pensamentos, em si mesmos, podem transportar certas expectativas, permanecendo potenciais desejos, mas são inertes se não forem acompanhados pelo poder da emoção. Muitas vezes, porém, a emoção que acompanha um desejo, caminha na direção oposta ao nosso desejo, mas não somos conscientes.

Se, por exemplo, desejo uma melhor saúde, sob o pensamento de melhora está introduzido o medo da doença, da pouca saúde que se tem, e essa emoção capacita exatamente o que se teme: a doença. Mesmo ao nível do pensamento, dizendo, “melhora”, implicitamente me focalizo em “não suficiente”, e se pensamos de não haver o suficiente, inconscientemente nos sentimos infelizes, ansiosos. Lembremo-nos das palavras do Evangelho: “Quem quiser, pois, salvar a sua vida, perdê-la-á.” Isso pode significar que, qualquer um que tenta se defender daquilo que pode prejudicar a sua vida, acaba focando a atenção justamente sobre o que se quer evitar, atraindo-o.

Braden diz que “nós mergulhamos na possibilidade da criação, um sentimento em forma de imagem, que é a parte da energia suficiente para desenvolver uma nova possibilidade. A chave deste sistema, no entanto, é que a criação restitui exatamente o que nossa imagem mostrou”.



A imagem mostra a sopa de criação, onde colocamos a nossa atenção. A emoção que ligamos à imagem, atrai a possibilidade da manifestação desta imagem.

Quando “nós não queremos algo – uma emoção baseada no medo . Nosso medo, na verdade, alimenta o que nós dizemos de não querer”.

Por que só agora tomamos conhecimento desse poder?

Até a Bíblia parece dizer que temos um poder desconhecido, e talvez, não por acaso, essa chave de leitura ”foi descoberta só em 1995, em um momento em que poderia haver uma consciência suficientemente alta entre as massas, que permite usar este poder. A humanidade desenvolveu uma nova consciência planetária, graças à força da tecnologia de oração em massa.

Diz Gregg Braden que Deus é puro amor, é energia e por ser energia, não morre, não desaparece, é imortal e está em todos os lugares. E como somos a imagem e semelhança de Deus, sabemos que somos energia e hoje podemos provar isso. Somos seres espirituais e não seres feitos de matéria. Vimos que, geneticamente, nosso DNA muda com as frequências que produzem nossos sentimentos, e que as frequências energéticas mais altas, que são as do Amor, impactam no ambiente, de uma forma material, produzindo transformações não só em nosso DNA mas em todo o ambiente. Quanto mais Amor deixarmos fluir por nossos corpos, mais adaptados estaremos para enfrentar o que possa acontecer em em nossas vidas. 

E podemos conduzir TODO o nosso planeta, mediante nossos pensamentos positivos em conjunto, para o melhor futuro possível.



FONTES:

(Publicado originalmente em inglês no Spirit Science and Metaphysics | Traduzido por: Duniverso)

 Via:http://naturalvibe.com.br/o-poder-quan…/

[http://www.sciencealert.com/quantum-spo…]

Fonte: “O Efeito Isaias” – Gregg Braden




















Total de visualizações de página

Página FaceBook