BARRA ANIMADA


Translate

SEJA BEM VINDO


BARRA 2


Mensagem


A Frequência Fotônica Pleiadiana e a Nova Era do Fóton


domingo, 29 de março de 2015

EXOPLANETA É DESCOBERTO EM SISTEMA ESTELAR QUÁDRUPLO

One Planet, Four Stars: The second known case of a planet in a q



29 DE MARÇO DE 2015, POR SÉRGIO SACANI

O crescimento de planetas em sistemas com mais de uma estrela tem sido um desafio. Apesar dos planetas no nosso Sistema Solar circularem apenas uma estrela, o nosso Sol, outros planetas mais distantes, os chamados exoplanetas, podem existir em sistemas com duas ou mais estrelas. Os pesquisadores querem saber mais sobre a complexa influência de múltiplas estrelas nos planetas e para isso apresentaram recentemente dois estudos, um planeta encontrado num sistema com três estrelas e outro planeta num sistema com quatro estrelas.
As descobertas foram feitas usando instrumentos acoplados em telescópios no Observatório de Palomar emSan Diego, o sistema de óptica adaptativa Robo-AO desenvolvido pela Inter-University Center for Astronomy and Astrophysics na Índia e pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena, e o sistema de óptica adaptativa PALM-3000, parcialmente financiado pela NASA e desenvolvido pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena na Califórnia, e pelo Caltech.
Essa é somente a segunda vez que um planeta foi identificado num sistema estelar quádruplo. Embora o planeta já fosse conhecido antes, pensava-se que ele pertencia a um sistema com três estrelas e não quatro. O primeiro exoplaneta ao redor de um sistema quádruplo, o KIC 4862625, foi descoberto em 2013 pelos cientistas cidadãos usando os dados públicos da missão Kepler da NASA.
A última descoberta sugere que os planetas em sistemas estelares quádruplos podem ser menos raros do que se pensava até então. De fato, a pesquisa recente tem mostrado que esse tipo de sistema estelar, que normalmente é constituído de dois pares de estrelas gêmeas circulando uma a outra em grandes distâncias, é mais comum do que se acreditava anteriormente.
“Cerca de 4% das estrelas parecidas com o Sol estão em sistemas quádruplos, o que é mais do que se estimava anteriormente pois as técnicas de observação estão em constante melhora”, disse Andrei Tokovinin do Observatório Inter-Americano de Cerro Tololo no Chile.
pia18927

O recém descoberto sistema planetário no sistema de quatro estrelas, é chamado de 30 Ari, e está localizado a cerca de 136 anos-luz de distância na direção da constelação de Áries. O planeta gasoso do sistema é enorme, com uma massa 10 vezes maior que a massa de Júpiter, e orbita sua estrela primária a cada 335 dias. A estrela primária tem um parceiro próximo, que o planeta não orbita. Esse par, por sua vez, é trancado numa órbita de longa distância com outro par de estrelas a cerca de 1670 Unidades Astronômicas de distância (uma unidade astronômica é a distância entre a Terra e o Sol). Os astrônomos acreditam que seja altamente improvável que esse planeta, ou qualquer lua que o circule possa sustentar a vida.
Se fosse possível ver o céu desse mundo, as quatro estrelas pareceriam como um pequeno Sol e duas estrelas bem brilhantes que seriam visíveis à luz do dia. Uma dessas estrelas, se vistas com um grande telescópio, seria revelada como um sistema binário, ou duas estrelas orbitando uma a outra.
Em anos recentes, dezenas de planetas com duas ou mais estrelas têm sido descobertos, incluindo aqueles com pôr-do-Sol semelhante ao de Tatooine do filme Guerra nas Estrelas. Encontrar planetas com múltiplas estrelas não é muito surpreendente, considerando que estrelas binárias são mais comuns na galáxia do que as estrelas simples.
“Os sistemas estelares podem ocorrer de formas muito variadas. Podem ser estrelas simples, binárias, triplas, quádruplas e até mesmo sistemas quíntuplos”, disse Lewis Roberts do JPL, principalmente autor do artigo que relata essa nova descoberta na revista Astronomical Journal. “É surpreendente a maneira como a natureza coloca essas coisas juntas”.
Roberts e seus colegas querem entender os efeitos que as múltiplas estrelas podem ter no desenvolvimento de jovens planetas. As evidências sugerem que companheiras estelares podem influenciar o destino dos planetas mudando suas órbitas e até mesmo fazendo com que alguns possam se tornar mais massivos. Por exemplo, os Júpiteres Quentes, planetas que possuem uma massa parecida com a massa de Júpiter e que têm um órbita bem próxima da sua estrela, com um período de poucos dias, podem ser gentilmente colocados mais próximos da estrela primária pela força gravitacional da companheira estelar.
No novo estudo, os pesquisadores descrevem usando o sistema automático Robo-AO no Observatório Palomar para vasculhar o céu, pesquisando centenas de estrelas a cada noite por sinais de companheiras estelares. Eles encontraram duas candidatas abrigando exoplanetas, o sistema de quatro estrelas 30 Ari, e um sistema estelar triplo chamado de HD 2638. As descobertas foram confirmadas usando a maior resolução do instrumento PALM-3000, também no Observatório Palomar.
O novo planeta com um trio de estrelas é um Júpiter Quente que circula sua estrela primária bem próximo, completando uma volta completa a cada 3 dias. Os cientistas já sabiam que essa estrela primária era trancada numa dança gravitacional com outra estrela, a cerca de 0.7 anos-luz de distância, ou cerca de 44000 unidades astronômicas. Essa é uma distância relativamente grande para um par de estrelas companheiras. A última descoberta é de uma terceira estrela no sistema, que orbita a estrela primária a uma distância de 28 unidades astronômicas, perto o suficiente para ter influenciado o Júpiter Quente a ter se desenvolvido e à sua órbita final.
“Esse resultado fortalece a conexão entre os sistemas estelares múltiplos e os planetas massivos”, diz Roberts.
No caso do Ari 30, a descoberta trouxe o ganho de se conhecer que o números de estrelas conhecidas, não era de 3 e sim de 4. A quarta estrela localiza-se a uma distância de 23 unidades astronômicas do planeta. Enquanto essa companheira estelar e seu planeta são mais próximos entre si do que aqueles no sistema HD 2638, a estrela recém descoberta não parece ter impactado a órbita do planeta. A razão exata ainda é incerta, assim a equipe está planejando observações futuras para se poder entender a órbita da estrela e de sua complicadadinâmica familiar.
O JPL é gerenciado para a NASA pelo Instituto de Tecnologia da Califórnia em Pasadena.
Fonte:




Os aliens e Híbridos de Hoje, Eram os Demônios do Passado

Algumas razões pelas quais os “Alienígenas vivos e mortos” na verdade eram os demônios da Antiguidade


Até nos dias atuais, as pessoas ainda pensam dessa forma, não mudaram o modo pensar.
Não entendem que na verdade nada absolutamente morre, só mudamos de uma realidade para outra, nós seres Humano somos espíritos, mas os seres extraterrestre ou alienígenas também.  Existem vários planos, várias realidades e dimensões, a maioria de nós só desconhecem tais fatos, e sendo assim, tudo que é desconhecido é estranho, é assustador.

Não existem o sobre natural, tudo é bem natural, só desconhecemos a realidade verdadeira das coisas, o que existe de fato. Entendam, que nós seres Humano não temos muita a capacidade da visão, a nossa visão é bem limitada, e por esse fato não enxergamos tudo que existe realmente.

Vocês podem acreditar, a nossa percepção de ver e enxergar as cores, as ondas espectrais e as energias são muito limitadas, veja alguns exemplos:





CORES QUE NÃO PODEMOS ENXERGAR








BEM... COMO VOCÊS PODEM VER, NÓS SERES HUMANOS SÓ TEMOS A CAPACIDADE DE ENXERGAR CERCA DE 5/8% DA LUZ VISÍVEL, QUE SÃO AS CORES QUE CONHECEMOS.

LOGO PUBLICAREI UMA MATÉRIA FALANDO SOBRE O ASSUNTO.

Mas continuando...

Esses seres que vivem nos espectros de lus que podemos ver ou não vê, que são na verdade os demônios da antiguidade. Os alienígenas mortos, ou seja, os seus espíritos podem mudar de formas como eles assim desejarem, mudam as ondas espectrais de vibração, luz e cor. Para assim trabalharem dos dois lados da física, o da matéria e o espiritual.



1. Aliens dos dias atuais são uma correspondência exata do comportamento dos demônios e anjos caídos mencionados na Bíblia. 

ALIENS TEM APARÊNCI SEMELHANTE A DOS SAPOS

”E aconteceu que observei saírem da boca do Dragão, da boca da Besta e da boca do Falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãsora, são espíritos de demônios que realizam sinais miraculosos”

                            Apocalipse 16:13


Demônios mudam para qualquer aparência: parentes que já morreram, Devas, sonhos com invasões aliens, ets, animais mitológicos, lobisomens, duendes,  santos católicos e até o ghezuis das imagens e dos quadros pintados:

Não é de admirar; pois o próprio Sanatás se transforma em anjo de luz.

2. Aliens nunca afirmam a divindade de Cristo, nem falam que eles vem em nome de Jesus. 
Não é de admirar; pois o próprio Satanás se transforma em anjo de luz. 2. Aliens nunca afirmam a divindade de Cristo, nem falam que eles vem em nome de Jesus. 



 ”Deste modo, podeis reconhecer o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus; 
    mas todo espírito que não confessa Jesus não provém de Deus. Ao contrário, este é o espírito do anticristo, a respeito do qual tendes ouvido que havia de vir e, presentemente, já está no mundo.”
1 joão 4:3

3.Aliens mudam suas histórias para iludir o homem a acreditarem em suas mentiras. 



Um exemplo disso é que, antes que o homem conseguir ir ao espaço exterior ou conseguir enviar sondas e satélites ao espaço, os alienígenas que falavam virem de planetas do nosso sistema solar, como Júpiter ou Marte . Conforme o tempo passou e o homem aprendeu mais sobre o nosso planeta, a galáxia, e o universo, percebendo que ninguém poderia viver em um planeta gasoso, os aliens mudaram a sua história. Agora eles dizem ser de outros sistemas solares e aglomerados de estrelas, bem mais distantes como Andrômeda e Plêiades, etc .

”Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos abandonarão  fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;”

1 Timóteo 4:1

4. Aliens dizem-se tão avançados tecnologicamente, tão evoluídos espiritualmente, tão saudáveis, com grande longevidade, tão poderosos e de tão longe, que porém eles parecem precisar de nós para sua sobrevivência. 



Há vários relatos de alienígenas que tomam amostras de tecido humanos(para clonagem?) e abduzem sexualmente as mulheres, como as entidades conhecidas como Incubus e Succubus . 
Não é de admirar; pois o próprio Sanatás se transforma em anjo de luz.


Atacam sexualmente homens e mulheres, assumindo variadas formas. Por isso orem a Jesus antes de dormirem.



5. Abduções alienígenas são paradas quando invocamos o nome de Jesus. Eles colocam o rabinho entre as pernas e saem correndo.

Os poderosos e tecnlogicamente avançados aliens não  pronunciam o nome de Jesus. Qualquer abdução pára se conseguirmos mencionar o nome do humilde carpinteiro Galileu que passou pela terra  a mais de 2 mil anos atrás.
”E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas;”


6. Aliens trazem idéias de que o homem necessita unir todo o mundo para uma nova era de consciência.

Essa união envolve sermos orientados a nos prepararmos para a chegada do seu líder (o Anticristo) e abandonarmos o Deus Cristão, o que vai abrir caminho para um só mundo, religião e governo(Nova Ordem Mundial). 

7. Aliens só entram em contato com “novaeristas” e ocultistas.



Isso nem sempre é o caso, pois há pessoas em todas as esferas da vida, que foram contatadas por “extraterrestres”. No entanto, é minha posição de que estes “irmãos do espaço” não estão muito interessados ​​em entrar em contato com os cristãos autênticos, que seguem os mandamentos de Jesus,  por uma razão óbvia. 

8. Os Ets não estão contra serem adorados pelos seres humanos e eles geralmente negam o criador, eles assumem esse papel em seu lugar. 

”E Jesus, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Adorarás o Senhor teu Deus, e só a Ele servirás.”

COMO SERIA ADORAR O DEUS VERDADEIRO? O CRIADOR DE TUDO QUE EXISTE?
AJUDANDO NAS SUA CRIAÇÃO, FAZENDO O BEM E MESMO SENDO MAIS EVOLUÍDO, TRATAR OS MENOS COM IGUALDADE. PORQUE MESMO SENDO OS MAIS ANTIGOS E EVOLUÍDOS SERES, ELES TAMBÉM SÃO FRUTOS DA CRIAÇÃO DO VERDADEIRO CRIADOR, OU SEJA DEUS. 

NO ENTANTO, ALGUNS DESSES SERES, SÃO EGOÍSTAS E PRECONCEITUOSOS, QUE SÓ PENSAM NOS DAS SUAS PRÓPRIAS RAÇAS, OU QUE TENHAM CERTOS VALORES PARECIDOS COM AS SUAS CAPACIDADES. OS SERES QUE MUITAS VEZES FORAM POR ELES PREJUDICADOS, SE TORNARAM POR ISSO MOMENTANEAMENTE  MENOS CAPACITADOS. MAS ELES TEMEM, PORQUE ISSO ESTA MUDANDO, ELES NA VERDADE SENTEM MEDO DE NÓS, E POR INCRÍVEL QUE PAREÇA, MUITOS DE NÓS TAMBÉM SENTIMOS MEDO DELES, MAS ISSO OCORRE PORQUE MUITOS DE NÓS DESCONHECEMOS A VERDADE. E SENDO ASSIM, ELES SE ALIMENTAM DE NOSSO MEDO, DAS NOSSAS FRAQUEZA E ENERGIAS.

ASSISTA OS VÍDEOS: ALIENS SÃO DEMÔNIOS






















Duas estrelas estão em rota de colisão com nosso Sistema Solar, afirmam cientistas

http://www.galeriadometeorito.com/2015/01/duas-estrelas-em-rota-de-colisao-com-terra.html


07/01/15 - O perigo não é a colisão, mas sim o que a grande aproximação pode causar

Há uma chance de 90% de que uma estrela irá se aproximar da Terra nos próximos 500 mil anos. Parece muito tempo? Mas acredite: para o Universo isso é um piscar de olhos, e se os cientistas estiverem corretos, ela está vindo "a todo vapor" em nossa direção. Conhecida como Hipparcos 85.605 (ou HIP 85.605) ela é uma estrela anã, e está atualmente a uma distância de 16 anos-luz da Terra.

Coryn Bailer-Jones, do Instituto Max Planck de Astronomia, modelou o passado e o futuro do movimento de 50.000 estrelas usando dados do satélite Hipparcos da Agência Espacial Europeia, que examinou o céu na década de 1990. Ele encontrou 14 estrelas que chegarão a uma distância de 3,26 anos-luz da Terra (um parsec), e 4 outras estrelas que chegarão a apenas 1,6 anos-luz (0,5 parsec).

De todos esses encontros, nenhum chamou tanto a atenção dos cientistas quanto este: o encontro mais próximo parece ser o da estrela HIP 85605, que é uma estrela tipo K (uma anã laranja) ou uma estrela M (uma anã vermelha), na constelação de Hércules. A estrela tem uma probabilidade de 90% de chegar bem próximo da Terra, a uma distância de apenas 0,13 e 0,65 anos-luz, e isso pode acontecer dentro de 240 mil a 470 mil anos!


estrela em rota de colisão com a Terra
Créditos: NASA / APOD
A segunda estrela que fará a maior aproximação será Gliese 710 (GL 710), uma anã do tipo K7. Atualmente, GL 710 está a uma distância de 63 anos-luz da Terra, na constelação de Ophiucus. Essa estrela anã tem uma chance de 90% de chegar a apenas 0,32 e 1,44 anos-luz da Terra, dentro de aproximadamente 1,3 milhões de anos.

Apesar das estrelas HIP 85605 e GL 710 não representarem um perigo de colisão direta, sua forças gravitacionais poderiam, no entanto, fazer algo bem mais amedrontador do que uma colisão direta. Elas poderão, com o tempo, influenciar gravitacionalmente a Nuvem de Oort no Sistema Solar exterior, e arremessar milhões de cometas em direção ao Sistema Solar interior, que é exatamente onde nós estamos!

Misterioso objeto aparece próximo do buraco negro central da Via Láctea

"Acho que podemos prever com segurança que as órbitas dos cometas seriam alteradas por esses encontros", comenta Bailer-Jones. Ele diz que uma chuva de cometas e asteróides poderia durar centenas ou milhares de anos por conta de uma passagem de uma estrela. Uma perturbação como essa já aconteceu antes, que segundo cientistas pode ter sido causada por gamma Microscopii, uma gigante G6 que chegou a apenas 1,14 ou 4,37 anos-luz da Terra, a cerca de 3,8 milhões de anos atrás. Coincidência?


Nuvem de Oort
Ilustração artística mostra o Sistema Solar interno (esquerda superior), o
Sistema Solar externo (esquerda inferior) e a Nuvem de Oort (grande e cinza à direita).
Créditos:
 
Wikimedia Commons
E será que alguma dessas estrelas poderá trazer seus planetas nessa viagem? Provavelmente sim, mas não será tão próximo a ponto de colidir conosco, tampouco nos dará a chance de visitá-los (caso ainda estejamos por aqui). De acordo com Bailer-Jones, a sua velocidade ao redor de suas estrelas viajantes seria tão alta que seria mais difícil visitá-los do que fazer uma viagem para sistemas estelares mais distantes.
Bailer-Jones também adverte que algumas das estrelas estudadas na simulação têm "dados questionáveis", de modo que essas estimativas podem sofrer alterações futuramente. "Este estudo é limitado a estrelas que sabemos precisamente quais são suas distâncias e velocidades, ou seja, isso nos limita a estudar estrelas que estejam dentro de algumas dezenas de anos-luz do Sol".

Seus cálculos mostram que cerca de 42 estrelas passam a cerca de 6,4 anos-luz (2 parsec) do Sol a cada 20 milhões de anos, e as estrelas HIP 85605 e GL 710 podem ser as próximas.

O estudo foi divulgado na revista Astronomy & Astrophysics, e está disponível online no site arXiv.

Fonte: Astronomy & Astrophysics
Imagens: (capa-ilustração/NASA) / APOD / Wikimedia Commons 




Total de visualizações de página

Página FaceBook